×
Publicado em
13 de jul. de 2018
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Exportadores de calçados tiveram prejuízo de 50 milhões de dólares com paralisação dos caminhoneiros

Publicado em
13 de jul. de 2018

Segundo dados da Abicalçados, como resultado da paralisação dos caminhoneiros, que provocou atraso nos embarques e problemas de produção por falta de matéria-prima, o mês de maio registrou queda nas exportações de calçados, que vinham se recuperando, provocando um prejuízo de 50 milhões de dólares. De acordo com o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, foi registrada uma queda no volume em 72 dos 121 países que receberam calçados brasileiros em maio.



No mês de maio, foram embarcados 6,4 milhões de pares que geraram 56 milhões de dólares, em comparação com 9,5 milhões de pares e 103 milhões de dólares no mesmo período do ano passado, uma queda de 32,7% e de 45,6%, respectivamente. No acumulado do ano até maio, as empresas de calçados somaram 46,75 milhões de pares e 400,3 milhões de dólares, uma queda de 5% e 9,3%, respectivamente. 

As principais origens dos calçados brasileiros exportados no período de janeiro a maio de 2018 foram: Rio Grande do Sul, em primeiro lugar, totalizando 176,5 milhões de dólares, uma queda de -3,8% em relação ao mesmo período de 2017; Ceará, em segundo lugar, com 100,38 milhões de dólares (-5,3%); e São Paulo, em terceiro, com 46,23 milhões de dólares (-11,9%).

Os principais destinos dos calçados brasileiros no acumulado dos cinco primeiros meses do ano foram: Argentina, que comprou 4,2 milhões de pares, gerando 64,83 milhões de dólares, sendo único país com percentual positivo (aumento de 17,4% e de 15,4%, respectivamente, em relação à 2017), mas com queda em maio; Estados Unidos, em segundo lugar, com 4,27 milhões de pares, gerando 59 milhões de dólares (- 9,3% e - 25,4%, respectivamente); e Paraguai, em terceiro, com 6,68 milhões de pares por 25,54 milhões de dólares (+16% e - 34,4%).

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.