×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
1 de out de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Europeu vai dirigir empresa matriz da Tommy Hilfiger e da Calvin Klein

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
1 de out de 2020

Em 2021, a empresa matriz da Tommy Hilfiger e da Calvin Klein será dirigida por um europeu proveniente da indústria da fast fashion. A PVH, que no ano passado registrou mais de 9 bilhões de euros em volume de negócios, anunciou que Stefan Larsson será o seu novo diretor-geral (CEO) a partir de fevereiro.


Emanuel Chirico passará o seu cargo de CEO a Stefan Larsson em fevereiro

 
O dirigente sueco juntou-se em junho de 2019 ao grupo liderado desde 2006 por Emanuel Chirico. Aos 63 anos, Chirico continuará sendo presidente do conselho de administração, tendo encontrado, portanto, o seu sucessor neste ex-executivo da H&M para quem o conselho havia criado o cargo sob medida de presidente de marcas. Depois de quase um ano e meio observando a atividade do grupo e de reflexões entre os dois dirigentes sobre estratégias a curto e médio prazo, o futuro líder, de 46 anos, foi oficialmente confirmado.
 
Mas, sua trajetória passou por algumas turbulências. Depois de quinze anos na H&M, o executivo cruzou o Atlântico para assumir, dentro do grupo Gap, a direção da Old Navy. Com base no desenvolvimento da marca, especialmente na Ásia, Stefan Larsson atraiu a atenção de outros grandes grupos americanos. O golden boy seduziu a Ralph Lauren e o conselho de administração do grupo nova-iorquino. Recrutado em 2015 para revolucionar a organização da gigante americana do prêt-à-porter, reformular a sua cadeia de suprimentos e a construção da sua oferta, o líder não foi capaz de encontrar o tom certo. E, depois de apenas 18 meses na empresa, teve que se retirar devido, segundo o próprio Ralph Lauren, a “diferentes pontos de vista sobre como desenvolver os aspetos criativos e de relação com o consumidor”.

A priori, o seu ponto de vista está, portanto, mais em linha com a PVH, que também viu o CEO do grupo na Europa, Daniel Grieder, deixar as suas funções no início do ano para se transferir, no início de 2021, na Hugo Boss.
 
No entanto, o próximo CEO enfrentará uma série de desafios. Com a pandemia de Covid-19 e as medidas sanitárias associadas, o grupo viu as suas vendas contrairem 33% no segundo trimestre, em comparação com 2019. E espera um declínio de 25% no segundo semestre. O grupo terá, portanto, que se adaptar a este contexto e gerir os consideráveis estoques de produtos do verão passado. Além disso, o grupo anunciou a intenção de se separar da sua divisão Heritage Brands (Izod, Van Heussen...).
 
“Com Stefan como o próximo CEO, estamos bem posicionados para navegar num cenário de varejo em rápida mudança, impulsionar a relevância das marcas e responder às necessidades dos nossos consumidores, enquanto posicionamos a empresa para o crescimento a longo prazo”, declarou Emanuel Chirico através de um comunicado. "A experiência mundial de Stefan, o seu foco no consumidor e o que já conquistou no passado são vantagens para que a PVH tenha sucesso na 'nova normalidade'."
 
O grupo emprega mais de 40 mil pessoas em todo o mundo.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.