×
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
7 de fev. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Estée Lauder eleva objetivos focada no período pós-pandemia

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
7 de fev. de 2022

O grupo cosmético americano Estée Lauder manifestou na quinta-feira (3) confiança no crescimento da sua atividade em 2022, e elevou as suas previsões financeiras para o ano apesar da persistência das dificuldades ligadas à pandemia.


Jo Malone


“Espera-se que a volatilidade global continue, principalmente no que diz respeito à inflação, às interrupções na cadeia de suprimentos e às restrições causadas pela Covid-19”, indicou a Estée Lauder por ocasião da publicação dos seus resultados trimestrais. “A empresa acredita que pode continuar a navegar neste ambiente incerto enquanto ativa vários motores de crescimento.”
 
A Estée Lauder, que é proprietária de marcas de cosméticos como MAC e do skincare Clinique, espera um crescimento de receita na totalidade do ano entre 13% e 16%, de uma faixa de 12% a 15% na estimativa anterior.

Estas projeções baseiam-se, nomeadamente, nos números mais do que satisfatórios entre setembro e dezembro, período correspondente ao segundo trimestre do seu exercício.
 
No trimestre, a Estée Lauder registrou um volume de negócios de 5,54 bilhões de dólares, um lucro líquido de 1,09 bilhão de dólares e lucro por ação (excluindo itens especiais) de 2,99 dólares, melhores resultados do que o previsto.

As vendas de produtos para a pele, principal fonte de receita do grupo, aumentaram 12%. As de perfumes aumentaram 29%, as de cuidados capilares 17% e as de produtos de maquiagem 11%.
 
A América do Norte (+24%) e a região da Europa, Médio Oriente e África (+15%) registraram a maior progressão de vendas, à frente da região Ásia-Pacífico (+7%).
 
Estes aumentos explicam-se em parte pelo levantamento parcial das restrições ao tráfego aéreo em vários países, incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos, o que impulsionou as vendas nos aeroportos.
 
A abertura quase ininterrupta das lojas na América do Norte e na Europa de setembro a dezembro, inclusive durante o período festivo de fim de ano, também foi um fator positivo, destacou a empresa. As vendas online mantiveram-se, por seu lado, em níveis elevados.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.