×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
27 de set de 2019
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

EssilorLuxottica quer crescer impulsionada pela classe média

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
27 de set de 2019

A EssilorLuxottica está apostando em uma classe média crescente globalmente para aumentar as vendas de óculos nos próximos anos. Seu lucro também deve se beneficiar de reduções de custo de até 600 milhões de euros por ano a partir de 2022, após a fusão entre o especialista francês em lentes ópticas e o fabricante italiano de óculos.


Arquivo - Reuters


Em documentos publicados na quarta-feira, 25 de setembro, em seu site, em antecipação à dia com investidores em Londres, a fabricante dos óculos Ray-Ban projetou um crescimento de vendas de cerca de 5% à taxa de câmbio constante nos próximos cinco anos, após um aumento de 3,2% em 2018, para 16,1 bilhões de euros.

Alguns investidores e analistas, incluindo o fundo ativista Third Point, estão ansiosos para saber como o grupo irá alcançar as sinergias prometidas e organizar sua liderança após as batalhas que atingiram os lados francês e italiano após a fusão de 48 bilhões de euros.

A EssilorLuxottica disse que "está a caminho de alcançar as metas de sinergia" e propôs 160 projetos que envolvem mais de 800 funcionários de uma equipe total de mais de 150.000 pessoas. As cadeias de suprimentos serão unificadas, enquanto as redes de laboratório serão reorganizadas em prol da eficiência. O grupo também planeja nomear um CEO até o final do próximo ano.

A sinergia é a prioridade deste projeto de fusão entre a Essilor, conhecida principalmente por suas lentes Varilux, e a Luxottica, proprietária de marcas como Oakley, Persol e Ray-Ban. A transação foi apresentada em 2017 como uma "fusão entre iguais". No entanto, ela enfrentou uma crise de governança com disputas entre Leonardo Del Vecchio, fundador da Luxottica, e Hubert Sagnières, CEO da Essilor. Ambos os lados decidiram dar uma trégua em maio, mas o grupo ainda precisa encontrar um novo CEO.

Além desses problemas de governança, a EssilorLuxottica terá outro desafio nos próximos meses com a proposta de aquisição da rede óptica GrandVision por 7,2 bilhões de euros em dinheiro, uma operação que deseja concluir até meados de 2021.

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.