×
849
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Consultor Comercial jr
Efetivo - CLT · CURITIBA
GRUPO BOTICARIO
Cientista de Dados CRM vd sr
Efetivo - CLT · Curitiba
RENNER
Gerente de Marketing - Marca e Sustentabilidade
Efetivo - CLT · Porto Alegre
RENNER
Gerente de Marketing e Analytics
Efetivo - CLT · Porto Alegre
AMARO
Tech & Data Business Partner
Efetivo - CLT · São Paulo
CHILLI BEANS
Supervisor de Vendas no Varejo - Chilli Beans
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Buyer
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Buyer
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Analista de Produto - Licenciados
Efetivo - CLT · Porto Alegre
RENNER
Comprador
Efetivo - CLT · Porto Alegre
AMARO
SEO Analyst
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Supervisor de Vendas - Tijuca/rj
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
RENNER
Analista de RH - Business Partner
Efetivo - CLT · Porto Alegre
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

Empresas indianas buscam fornecedores locais

Por
Portugal Textil
Publicado em
today 15 de dez de 2010
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-


O crescente mercado de moda da Índia incentivou as marcas internacionais a alterarem a sua estratégia e a começarem a aprovisionar vestuário de produtores locais para responder à procura interna. Donna Karan New York, Gant, Arrow, Marks & Spencer e outros, estão a evitar, desta forma, os elevados direitos de importação, tornando os seus produtos mais competitivos e, em alguns casos, criando até mesmo mais bases de aprovisionamento para as suas operações internacionais.

«As marcas já perceberam que, para o vestuário com preços entre 7 e 11 dólares em lojas indianas de retalho, não faz nenhum sentido trazê-lo de fora», explicou Ashesh Amin, presidente de vestuário e retalho do SKNL Group. «As taxas são tão altas que toda a margem desaparece». A complicada fórmula para calcular esses direitos faz com que excedam até 50% em alguns produtos, segundo Amin.

Em Maio deste ano, o SKNL entrou num acordo de licenciamento para desenvolver, aprovisionar, fabricar e distribuir toda a gama de moda masculina da DKNY em todo o mundo, com excepção do Japão. Todo o abastecimento para os pontos de venda na Índia é agora realizado internamente, na medida em que, revela Amin, os preços no varejo não podem ser agora mais de 15% além dos preços nos mercados vizinhos como Singapura e Dubai.

O aumento das vendas nas lojas de varejo indianas tem sido um motor essencial deste processo. «Há alguns anos atrás, a maioria das marcas internacionais teve uma presença muito limitada e, portanto, o seu volume de vendas no mercado interno era muito pequeno para realizar as suas encomendas a nível local», afirmou Harminder Sahni, director da Wazir Advisors, uma empresa de consultoria para produtos de consumo.

De acordo com o Gabinete Central de Estatística da Índia, o mercado de varejo indiano para produtos têxteis, incluindo o vestuário, registou um crescimento de 8,5% durante o exercício financeiro entre Abril de 2009 e Março de 2010. Embora Sahni refira que os volumes não são muito elevados, as marcas estão a combinar esta fonte com as exportações para outros mercados.

Um bom exemplo é a joint-venture anglo-indiana Marks & Spencer-Reliance Retail, que tem 17 lojas na Índia e oferece produtos que vão dos 2 aos 75 dólares. A empresa britânica espera aumentar em breve o seu aprovisionamento local de 40% para 70%, segundo um porta-voz. No exercício financeiro de 2009/2010, aprovisionou mercadorias no valor de 175 milhões de dólares de 42 fornecedores indianos, incluindo as exportações para mercados internacionais.

Outro fator por trás das crescentes etiquetas “made in India” em marcas internacionais foram os contratos de franchise com parceiros indianos. «Foi apenas há um ou dois anos que a maioria das marcas estrangeiras nos segmentos mais baixos iniciou as suas joint-ventures na Índia e muitos dos seus contratos tornaram obrigatório aos parceiros locais importarem toda a gama para os dois primeiros anos», indicou Amin. O responsável acrescentou ainda que estava atualmente envolvido num contrato semelhante com outra marca de moda internacional, planejando a sua entrada na Índia.

A Arvind Brands da Índia, que comercializa no país várias marcas internacionais como a Gant, Izod e Arrow, com vendas anuais de 120 milhões dólares no exercício de 2009/2010, também está negociando o lançamento de uma nova marca estrangeira cujos produtos serão subcontratados localmente. «Enquanto os direitos de importação estiverem em vigor, vamos continuar a aprovisionar principalmente na Índia», afirmou Jayaraman Suresh, presidente-executivo da Arvind Brand.

Copyright © 2020 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.

See also