×
892
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Empresa proprietária da Timberland anuncia que não comprará mais couro brasileiro enquanto os incêndios na Amazônia não cessarem

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 30 de ago de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A VF Corp., empresa americana proprietária das marcas Timberland, Vans e The North Face, anunciou nesta quinta-feira (29) que não comprará mais couro brasileiro enquanto os incêndios na Amazônia não cessarem. 



Os incêndios florestais na Amazônia vêm ocorrendo há semanas, o que já levou a um exame mais aprofundado da indústria brasileira de carne bovina, um dos principais motores econômicos do país.

A holding VF Corp. informou que irá retomar a compra de couro brasileiro quando "tiver a confiança e a garantia de que os materiais utilizados nos produtos não contribuem para os danos ambientais no país”. A medida foi um dos primeiros sinais de um impacto econômico concreto decorrente da controvérsia relacionada aos incêndios, que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro afirmou estar sob controle. Ambientalistas afirmam que os incêndios foram causados ​​por especuladores e fazendeiros imobiliários, pois é prática comum desmatar terras para uso agrícola.

Um relatório investigativo divulgado em julho pela mídia apontou que a JBS SA, a maior produtora de carne e couro do mundo, estava comprando gado de fazendeiros que operavam em terras que o governo disse que não deveriam ser usadas para pastagem. A JBS negou as informações, apesar de reconhecer a dificuldade de rastrear a origem de alguns gados.

Em comunicado, a VF Corp disse: "Como resultado de uma diligência detalhada, não podemos mais garantir de forma satisfatória que nosso volume de couro comprado de fornecedores brasileiros mantenha esse compromisso de fornecimento responsável”. A empresa americana tem sede em Greensboro, Carolina do Norte, e também é proprietária das marcas Dickies, Smartwool e JanSport. A companhia não informou o valor de suas importações brasileiras de couro ou quais seriam os possíveis mercados que poderia usar para suprimentos alternativos.

Na quarta-feira (28), em meio a relatos publicados por jornais sobre uma suposta  suspensão da exportação de couro brasileiro por parte de empresas internacionais em um boicote pela Amazônia, o Centro da Indústria de Curtumes do Brasil (CICB), principal grupo comercial de couro do Brasil, negou a informação. Em 2019, o país exportou 1,44 bilhão de dólares em couro bovino. Seus maiores mercados de exportação foram Estados Unidos, China e Itália, que juntos consumiram cerca de 60% da produção brasileira de couro bovino.

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.