×
Publicado em
1 de nov. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Dubai atrai cada vez mais o mundo do luxo entre Expo 2020 e expatriados ricos

Publicado em
1 de nov. de 2021

Por acaso ou por coincidência, duas das mais prestigiadas maisons de moda – a Giorgio Armani e a Chanel – encontram-se no Dubai, com alguns dias de intervalo. A primeira organizou o seu evento itinerante "One night only" (Uma só noite), na terça-feira (26 de outubro), enquanto a segunda mostrará a sua coleção Cruise de 2022, revelada em maio em Les Baux-de-Provence, no dia 2 de novembro.


Um dos looks da Armani em frente à linha do horizonte do Dubai - Giorgio Armani


Aproveitando a exposição mundial que abriu na cidade e decorrerá até ao dia 31 de março de 2022, onde são esperados cerca de 25 milhões de visitantes, e por ocasião do décimo aniversário da abertura dos seus hotéis em Milão e Dubai, Giorgio Armani organizou um evento especial no Pavilhão do Hotel Armani com um desfile de apresentação da sua coleção para a  primavera-verão 2022 masculina e feminina e uma seleção de looks Armani Privé Haute Couture para o outono-inverno 2021/2022 na presença de numerosas celebridades, incluindo as atrizes Sharon Stone, Lily James e Mélanie Laurent. Cerca de 400 pessoas assistiram ao evento, que foi animada por uma performance de Chris Martin, o vocalista do Coldplay.

Sendo um ponto-chave entre a Europa e a Ásia, o Dubai posiciona-se como um ponto de referência no Médio Oriente com a sua próspera situação econômica e financeira e a sua estabilidade, atraindo cada vez mais investidores, mas também intervenientes nas indústrias da moda e do luxo. Assim, no seguimento da Armani, a etiqueta Roberto Cavalli – comprada em 2019 pelo bilionário Hussain Sajwani, fundador e presidente do gigante imobiliário Damac Properties – lançou a construção da Cavalli Tower, um arranha-céus de luxo de 70 andares que será concretizado em 2026.

Outros exemplos desta loucura de luxo para o pequeno emirado incluem a iniciativa tomada pela joalheira Cartier, que colaborou com a Expo 2020 no Pavilhão das Mulheres, o qual visa reafirmar o compromisso com a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres; assim como a da marca Dolce&Gabbana, que está presente no local através de uma instalação no pavilhão italiano feita de faiança pintada à mão por artesãos sicilianos.

A cidade tornou-se um novo Eldorado para bens de luxo, atraindo não só turistas, mas também uma forte migração de famílias e empresários ricos, graças a uma política de "vistos de ouro", visando os expatriados mais ricos e um sistema fiscal muito vantajoso em termos de rendimento e imposto sucessório.

"O Dubai está se tornando um importante centro, com uma grande abertura ao capital estrangeiro e investimentos consideráveis como o Dubai Mall, mas também graças ao alto nível dos seus serviços, infraestruturas e oferta de luxo, afirmando-se como uma empresa extremamente bem gerida", resumiu Michele Norsa, vice-presidente executivo da Salvatore Ferragamo, por ocasião da Cimeira Mundial de Moda de Milão 2021, organizada esta semana pela Class Editori entre Milão e Dubai.

"Entre 2019 e 2020, o seu aeroporto conseguiu manter-se aberto, suplantando outros hubs asiáticos. Todos os fluxos turísticos para a Europa, África e mesmo os Estados Unidos passaram pelo Dubai. Tenho dificuldade em acreditar que nos próximos anos os grandes centros asiáticos como Hong Kong irão se recuperar", estima o executivo.


Futura Cavalli Tower no Dubaï - Roberto Cavalli


"Dubai deixou de ser um centro de ponta para o turismo e negócios para se tornar um destino global de varejo e moda de luxo", disse Patrick Chalhoub, diretor do Chalhoub Group, o principal varejista de luxo do Médio Oriente. "Desde a reabertura pós-pandémica, assistimos a um aumento do turismo de todo o mundo, incluindo de regiões que anteriormente não visavam este destino, tais como a Índia, Irão e Norte de África.

De acordo com Patrick Chalhoub, o emirado oferece oportunidades muito interessantes, desde que marcas mais pequenas encontrem parceiros locais. "Muitas marcas de moda e luxo têm uma boa presença no Dubai, mas precisam de compreender melhor os consumidores locais, especialmente os mais jovens", acrescentou.

Falando na mesma Cimeira Mundial de Moda de Milão 2021, Elisa Bruno, diretora geral da Level Shoes, a marca de calçados do Grupo Chalhoub, recordou como "o Médio Oriente está a marcar o ritmo da mudança no mercado do luxo", salientando que "40% da população tem menos de 30 anos nesta região, ditando as novas tendências". Com, por exemplo, a introdução nas suas sapatarias de luxo da categoria tênis, "especialmente os modelos mais sofisticados e personalizáveis".

Embora o Dubai seja particularmente atraente para o luxo neste momento e seja o emirado mais em sintonia com as tendências da moda, a região tem sofrido muito com a pandemia de COVID-19.  A economia dos Emirados Árabes Unidos assistiu ao colapso dos preços do petróleo, vendo o seu PIB cair 6,1% em 2020. Mas de acordo com um relatório publicado na quarta-feira, 27 de outubro, pela direção geral do Trésor em França, "as bases econômicas do país permanecem sólidas (tanto na frente fiscal como externa)", com uma recuperação gradual da atividade através de um crescimento de 2,2% previsto para 2021 e de 3% para 2022.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.