×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
29 de set. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Dior: moda esportiva feminista com um toque dos anos 60

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
29 de set. de 2021

Maria Grazia Chiuri está inventando uma nova visão da sua moda feminista com uma coleção intensamente esportiva e gráfica para a próxima primavera na Dior, revelada na terça-feira (28) durante a Semana da Moda de Paris.


Dior primavera-verão 2022 - Foto: Cortesia da Dior - Photo: Courtesy of Dior


Encenado em uma tenda por medida com capacidade para cerca de 1.200 convidados e construído sobre o octógono principal das Tuileries, o espetáculo foi uma verdadeira prova do poder da Dior em Paris e na França.
 
Como em muitos dos seus desfiles recentes, Maria Grazia Chiuri referiu-se à Roma da sua juventude, onde artistas e designers se encontravam,  no lendário Piper Club, um espaço irreverente de festa, dos anos 50, na rua principal da Via Veneto.

Maria Grazia Chiuri também mencionou o nome de Marc Bohan, o designer Dior a que mais se referiu depois do fundador homônimo da maison, levando a coleção "Slim Look" de 1961, mas com algo novo.

Os jornalistas que saíram do desfile também introduziram os nomes da Cardin, Courrèges e Mary Quant, refletindo a natureza fundamentalmente otimista desta coleção Dior. Se a silhueta fosse muito rigorosa, os enfeites eram indulgentes.
 
De fato, metade desta coleção Dior veio com um toque esportivo, como o quinteto de agasalhos de boxe em azul elétrico, rosa profundo e verde hortelã, com cintos elásticos marcados com um "Dior Vibe"; calções de boxe em seda e tops esportivos. As roupas incluíam silhuetas dos anos 60 com uma paleta de cores dos anos 80.


Dior primavera-verão 2022 - Foto: Cortesia da Dior - Photo: Courtesy of Dior


"Monsieur tinha uma paleta de cores muito limitada, principalmente cinzento, azul-marinho e preto. Esta coleção certamente não!" sorriu Maria Grazia Chiuri nos bastidores durante uma conversa pré-show com jornalistas.

Os modelos de Grazia desfilaram com botas altas até ao joelho de couro com logotipos em meios círculos limão brilhante ou laranja profundo. Grazia quase optou pelo hip-hop até metade do desfile, quando propôs enormes calças e casacos de pintor em branco ou sarees de safari, todos acabados com imagens de plantas tropicais e animais selvagens.

De fato, poucos designers podem misturar-se no DNA de uma marca como Maria Grazia Chiuri, criando boleros de nylon matelassé no guarnecer geométrico da Dior ou reinventando radicalmente o Toile de Jouy: "Eu queria levar a tradição do Toile de Jouy da Dior a algo novo. A Toile de Jouy apresenta frequentemente animais, por isso pensei em libertá-los e levá-los para além do pitoresco", disse Maria Grazia Chiuri.
 
Assim, uma miscelânea de leões, chitas, crocodilos e zebras salta e rosna sobre grelhas e quadrados de cor primária. Um elemento visto em mini vestidos de lantejoulas, vestidos de festa e vestidos de cocktail.

O preto estava também muito em evidência, como nos precisos ternos de sarja com casacos de barra de peito duplo e saias de balão ou nos curtos vestidos pretos cortados no alto da coxa. Além disso, a designer desenvolveu uma nova categoria de produtos: a bota de borracha Wellington com uma frente de renda.

Sublinhando a sua suprema autoconfiança, a designer escolheu uma artista obscura da Calábria, Anna Paparatti, para colaborar com a sua apresentação. Os temas de Paparatti sobre o absurdo da situação humana e como os jogos libertam a própria imaginação levaram à criação de um gigantesco jogo circular no centro do local do desfile, com degraus de três metros e meio de largura, onde os modelos subiam e desciam antes de caminharem pela passarela. 

Frases de Paparatti como "Le jeu qui n'existe pas" (O jogo que não existe) penduradas acima da audiência. "Il gioco del nonsense" (O jogo do sem sentido) parecia um pouco deslocado pendurado sobre o proprietário da Dior e o homem mais rico da Europa, Bernard Arnault, sentado na primeira fila.
 

Dior primavera-verão 2022 - Foto: Cortesia da Dior - Photo: Courtesy of Dior


Ao contrário de todos os outros grandes desfiles em Londres ou em Milão, onde as medidas de distanciamento social e as máscaras foram rigorosamente aplicadas, neste desfile Dior as pessoas da audiência estavam verdadeiramente encostadas umas nas outras.

"Bem, é uma loucura total criar uma performance durante um desfile de moda. Mas no final, cada desfile de moda é um performance e é preciso tocar isso. Todos os artistas com quem trabalhei não são muito conhecidos, o que importa é que me inspiram, como o trabalho de Anna nos últimos anos", salientou Chiuri, em um casaco de smoking preto com cabelo louro com estilo, olhos esfumados e dedos cobertos com anéis de Codagnato.

Foi uma mostra extremamente gráfica, mesmo que o elemento chave da alfaiataria seja ainda a imagem do bar jacket. No entanto, o que vai tornar esta coleção influente é o sentido ousado e incisivo do esporte e a forma como o atletismo tem inspirado as mulheres, especialmente hoje em dia.

Quando um jornalista comentou que não havia maneira de o cavalheiro poder assistir a um jogo de boxe, Chiuri respondeu: "Absolutamente! Mas o esporte tem desempenhado um papel essencial na emancipação das mulheres. Penso que temos de nos lembrar que as mulheres tiveram de lutar para praticar os seus esportes preferidos. Mesmo para entrar nas Olimpíadas ou em tantas outras competições internacionais. E esta batalha continua hoje. Há tantos países onde as mulheres ainda não são autorizadas a praticar esporte!"

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.