×
Publicado em
10 de nov. de 2020
Tempo de leitura
5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Desigual enfrenta ajustes "graduais" nas lojas e equipe para lidar com pandemia

Publicado em
10 de nov. de 2020

Thomas Meyer falou publicamente pela primeira vez na história da Desigual, em meados de fevereiro. Na época, o novo coronavírus ainda parecia um problema distante, mais orientado para afetar a capacidade produtiva ou o abastecimento da indústria da moda na China. No entanto, o fundador da empresa catalã já salientava a importância de promover a estratégia omnichannel e a inovação, insistindo na necessidade de renovação, marcada pela nova identidade que a marca apresentou em 2019. Além destes desafios, com a pandemia é mais urgente do que nunca se reinventar, dada a obrigação de rever os objetivos e reajustar o negócio. A Desigual confirma seus planos ao FashionNetwork.com.


Coleção da Desigual em colaboração com a designer espanhola María Escoté - Desigual


"A nossa prioridade tem sido assegurar a sobrevivência e a estabilidade da empresa, e é por isso que nos propusemos os seguintes objetivos: assegurar a liquidez, rever a estrutura de custos, reduzir as compras a fim de nos ajustarmos à queda das vendas e assegurar que os nossos fornecedores de produtos, que também estão sofrendo, continuem lá", explica Alberto Ojinaga, diretor-geral da Desigual, sobre a gestão da crise. O fato é que a empresa catalã sabe o que é lutar contra a adversidade, depois de ter implementado um plano de reorganização empresarial desde 2015, o ano em que o volume de negócios começou a diminuir. No ano passado, as vendas da empresa contraíram 10%, para 589 milhões de euros. "Estamos onde precisamos estar", disse Thomas Meyer, sobre o desenvolvimento do negócio do Desigual.

Assim como para muitas outras empresas, instituições ou eventos do setor, a pandemia atuou como acelerador dos projetos em que a marca já estava trabalhando, tais como "a digitalização da empresa e a transformação do produto", Ojinaga detalha, mencionando a "recepção positiva" das coleções em colaboração com María Escoté ou Christian Lacroix. "Continuamos a avançar, e continuaremos a fazê-lo, nas ações das quais já obtivemos bons resultados, tais como o crescimento do canal digital, a consolidação do nosso modelo omnichannel ou a relevância da marca", continua o líder, destacando os dados otimistas do canal online, que registrou um crescimento de 70% nas vendas desde maio; bem como o bom funcionamento do showroom digital com o qual trabalham com os seus atacadistas.

Destaque do online sobre o sofrido canal físico

Apesar do desempenho crescente do canal online, que em 2019 representou 14% do volume de negócios, o plano físico continua sofrendo restrições. Assim, a Desigual foi forçada a fechar a sua loja emblemática no número 47 do Paseo de Gracia de Barcelona, que tinha sido totalmente renovada há apenas dois anos. O espaço, com dois andares e 350 metros quadrados, era um dos estabelecimentos mais conhecidos da marca na sua cidade de origem e estava localizado em uma região turística privilegiada, em frente à Casa Batló. "Estamos à procura de um novo local na mesma área, mas com uma localização e dimensão favoráveis", justifica a empresa. Atualmente, a Desigual está presente em 92 mercados com cerca de 500 lojas e fechou cerca de 40 espaços no ano passado.

Do mesmo modo, diante das últimas medidas decretadas a nível regional, a Desigual tem um total de 11 lojas fechadas na Catalunha, todas elas localizadas em centros comerciais que foram forçados a fechar na comunidade; assim como três estabelecimentos nas Astúrias. E, a partir do dia 10 de novembro, os espaços da empresa na Andaluzia terão de interromper as suas atividade à partir das 18 horas. Embora a empresa explique que o cenário nacional está mudando e a adaptação ocorre todos os dias, os responsáveis receiam que o confinamento do perímetro também limite o tráfego dos pontos de venda, o que "determina a necessidade de lojas com pessoal e outros postos ligados à rede física". Por este motivo, a Desigual está trabalhando em novas funções que serão atribuídas às lojas, como pontos de envios, retirada de compras online ou pontos de devolução.

A nível internacional, a empresa catalã precisou fechar temporariamente seus pontos de venda no Reino Unido, Bélgica e França. Especificamente no mercado francês, a Desigual detalhou que "algumas das lojas mantêm atividade interna para responderem às encomendas online. Além disso, a marca está "avaliando possíveis fórmulas para expandir o serviço ao cliente e dar novos papéis às lojas dentro do canal digital de vendas, tais como o serviço 'Click and Collect' ou outros a partir de casa."


Alberto Ojinaga, diretor-geral da Desigual - Desigual


Desigual descarta "ajustes drásticos"

No que diz respeito aos funcionários da empresa, que na Espanha são 1.500, incluindo pessoal de loja, escritório e logística, a Desigual afirma que está " adaptando gradualmente a força de trabalho à nova situação e a procurar limitar o impacto no emprego". Embora a marca não tenha confirmado o número de postos de trabalho que seriam eliminados por enquanto, estes não devem exceder 30, um número que exigiria a declaração de um ERTE (redução da atividade ou suspensão de contratos laborais). A empresa, que exclui "ajustes drásticos", afirma estar "aproveitando a rotação natural para repensar algumas posições e reorganizar a estrutura" e ainda "reforçar as áreas que respondem às prioridades estratégicas: digitalização e transformação dos canais".

A segunda onde de Covid-10 ameaça atacar novamente uma indústria que já tem vindo a aplicar medidas duras desde março. Especificamente no caso da Desigual, a empresa enfrentou a nova normalidade a partir de junho, com cerca de 90% da sua rede internacional de lojas funcionando e com novas medidas de segurança, na sequência dos fechamentos forçados pelos vários confinamentos internacionais. Na Espanha, a empresa apresentou um ERTE em março para 90% da força de trabalho (até 1.359 funcionários de lojas e escritórios). Tendo em vista futuras restrições, a Desigual não revelou possíveis medidas, que dependerão da "evolução da situação". Mas, a marca insiste que não prevê "ajustes drásticos".

Por sua parte, Alberto Ojinaga reserva algum otimismo apesar das incertezas do contexto: "2021 será um ano complexo, mas estamos acelerando mudanças muito relevantes no produto, reposicionamento da marca e rede de distribuição, e estamos convencidos de que sairemos desta situação mais fortes", conclui o diretor-geral da marca.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.