×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de dez. de 2021
Tempo de leitura
9 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Depois do Cheval Blanc, LVMH abre um novo hotel de luxo em Paris, desta vez da marca Bvlgari

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de dez. de 2021

O que Paris não parece precisar é de outro hotel de luxo. No entanto, a LVMH lançou duas novas unidades hoteleiras cinco estrelas neste outono do hemisfério norte, sendo o Bvlgari Hotel Paris o projeto mais recente. 


Fachada do novo Bvlgari Hotel Paris - Foto: Cortesia da Bvlgari - Bulgari

 
O novo hotel de 75 quartos abriu suas portas na quinta-feira (2 de dezembro), no número 30 da avenida George V, do outro lado da rua de dois outros famosos hotéis cinco estrelas –  George V e Prince de Galles.
 
Nenhuma outra marca de luxo construiu uma rede hoteleira tão significativa como a Bvlgari, com sete unidades já abertas e outras cinco que devem sair do papel em breve, criando o que o seu diretor geral, Jean-Christophe Babin, chama de "um colar de hospitalidade" ao redor do planeta.

O mais recente projeto rivaliza também com outro estabelecimento da LVMH, o Cheval Blanc Paris, contemporâneo brilhante aos pés de ambas as margens do Sena. O Bvlgari Paris, concebido pelo gabinete de arquitetura Antonio Citterio Patricia Viel, é uma mistura sutil de calor italiano; mobiliário elegante de Gio Ponti e B&B Italia; peças de artesanato francês; acabamentos de luxo e cozinha Lucullan.
 
Tal como o seu diretor geral franco-italiano multilingue, Sylvain Ercoli, ou o CEO da Bvlgari, Jean-Christophe Babin, um francês que se expressa facilmente entre as línguas francesa, inglesa e italiana.
 
A partir da manhã de sexta-feira (3), a Bvlgari terá uma rede de sete hotéis, com outros cinco em construção, ultrapassando todas as outras marcas de moda e luxo no setor hoteleiro de luxo. A Bvlgari Paris custa a partir de 1.500 euros por noite, por um quarto standard de 45 metros quadrados; enquanto a sua oferta mais cara é uma suite gigante – que afirmam ser a maior de Paris com vista para toda a cidade. Uma experiência emblemática de luxo, a cobertura de dois andares tem uma suite de 400 metros quadrados, um terraço / jardim de 600 metros quadrados, por um preço de 40.000 euros por noite.
 
O hotel de nove andares inclui ainda uma boutique Bvlgari de 220 metros quadrados. Enquanto a sua piscina termal de 1.200 metros quadrados faz referência à Terme di Caracalla de Roma.  A fachada com janelas ampliadas estabelece referências com o estilo arquitetònico racionalista italiano, que se afirmou no pós Primeira Guerra Mundial, de 1926 até 1943, manifestando-se em plena Segunda Grande Guerra. O chef é Niko Romito, estrela Michelin, que gere o Il Ristorante.
 
Assim, sentamo-nos para tomar um cappuccino com Babin, que está no comando do Chez Bvlgari desde 2013, para um natter sobre o luxo, a arte de viver, e a aposta em que cavalo para o melhor hotel na corrida de Paris – Cheval Blanc ou Bvlgari?


O CEO da Bvlgari Jean-Christophe Babin - DR


FashionNetwork.com: Porque estão abrindo um hotel Bvlgari em Paris?
Jean-Christophe Babin:
A filosofia da Bvlgari é criar uma coleção de pedras preciosas num colar de hospitalidade. Tal como a nossa alta joalharia, com objetos que também são muito raros. Por isso, escolhemos cidades e locais que são extraordinários em termos de estilo. Analisamos várias alternativas – mais de 10 – antes de encontrarmos o local certo aqui no Triângulo Dourado da cidade.
 
Vamos abrir em Roma, a nossa cidade natal, na Piazza Augusto Imperatore, onde a maioria dos 114 quartos terão vista para o mausoléu do primeiro imperador romano e Ara Pacis (o altar que lhe foi dedicado, nota do editor). Ele fica em um edifício dos anos 30 – protegido pelo Ministério da Cultura – por isso a fachada está protegida, e foi uma companhia de seguros. Este se tornará  o nosso hotel mais emblemático e extraordinário. Abriremos em Moscou; uma cidade com uma mistura de negócios, glamour e arte, a apenas 10 minutos da Praça Vermelha. Estaremos em Tóquio em 2022; e em 2024, em Miami Beach, no Collins dos anos 20, o primeiro hotel ao entrar no Art Deco Historic District.
 
FNW: Qual é o seu modelo de negócio?
JCB:
Combinamos realmente todos os modelos.  Em Milão e Roma os hotéis são operados diretamente, já que um foi o nosso primeiro e o outro a nossa vitrine. Tivemos de fazer nós mesmos para mostrar às pessoas como queríamos que ficassem. Em Paris, o nosso parceiro local é proprietário do hotel físico, mas nós trazemos o nosso nível de serviço e know-how. Eles tratam do P&L.
 
FNW: Qual é o percentual de royalties de licenciamento?
JCB:
Isso não podemos falar. Para nós, é uma declaração de imagem de marca – uma imersão experiencial e de luxo. Em uma boutique, pode-se passar uma hora no máximo, mas num hotel permanece-se de 24 a 72 horas. Aqui as nossas assinaturas são gravadas em vidro, enquanto esboços apresentam as nossas joias dos anos 20. Literalmente por todo o lado. Os clientes podem desfrutar da nossa recepção italiana no átrio; de uma extraordinária experiência culinária; de um relaxamento no Spa, de um último drink.


Penthouse do Bylgari Hotel Paris que funciona como sala de jantar à noite - Foto: Cortesia da Bvlgari - Bulgari


FNW: O sucesso da Bvlgari nos hotéis influenciou Bernard Arnault a entrar no setor, desenvolvendo o Cheval Blanc e depois comprando o Belmont?
JCB:
Bem, estava certamente muito interessado no que a Bvlgari estava fazendo quando a LVMH adquiriu a empresa em 2011. Nessa altura, a Bvlgari tinha aberto uma unidade em Milão e em Bali e estava concluindo o Bvlgari Hotel London. Abriu primeiro o Cheval Blanc em Courcheval, a sua primeira ideia para um hotel, embora se trate realmente de um ski resort hotel. Assim, provavelmente o sucesso dos nossos hotéis Bvlgari em cada cidade em termos de liderança e de mercado causou boa impressão.
 
Mas Paris é o grande desafio – pois tem o maior número de hotéis de alto luxo que qualquer cidade do mundo. Como italianos, acreditamos que estamos trazendo um produto muito especial – com glamour, estilo casual e aqui fundindo o artesanato francês e italiano. Sim, em um super hotel cinco estrelas, mas com uma equipe muito simpática. Temos a liderança – a julgar pelo Rev PAR, ou pela ocupação multiplicada pela taxa média diária – em todas as cidades onde operamos. Isto é informação pública. A indústria hoteleira é a mais transparente de todas as indústrias de luxo. Em Milão, acabamos de assumir a liderança do Four Seasons, acrescentando três novas chaves, incluindo uma enorme suite de 250 metros.
 
Temos sido os pioneiros, desde que o nosso primeiro hotel abriu em Milão em 2004, mesmo antes de a frase "luxo imersivo" ter sido inventada. Isso nos ajudou a compreender melhor a experiência do cliente e depois a estendê-la às lojas. Isso nos proporciona uma grande vantagem estratégica nas nossas lojas. Não há nada mais difícil do que um hotel. Pelo preço de uma suite, digamos 17.000 euros, pode se adquirir um belo colar. Mas depois de uma noite tudo o que resta é uma memória, não um colar em volta do pescoço de sua adorável esposa que perdura durante 20 anos (e mais). Portanto, as memórias têm de ser extraordinárias, caso contrário as pessoas não pagarão!


A suite interior do Bvlgari Hotel Paris - Foto: Cortesia da Bvlgari - Bulgari


FNW: Como tem corrido o negócio principal, a joalheria?
JCB:
Este ano, mesmo com as dificuldades, devemos ter o melhor ano da nossa história. Tivemos de digerir 2020 – e fechamos portas como todos, dependendo dos regulamentos de cada país. Estávamos também na vanguarda dos cuidados sanitários – produzindo gel para os sistemas de saúde da Grã-Bretanha, Suíça e Itália. E financiamos bolsas de estudo de pesquisa para estudantes de doutorado.
 
FNW: Quais são as suas receitas anuais?
JCB:
Não as divulgamos por marca na LVMH. A Bvlgari está na divisão de Watches & Jewelry da LVMH, onde a Tiffany será provavelmente incorporada.
 
Nos primeiros nove meses de 2021, o volume de negócios da LVMH em Watches & Jewelry foi de 6,160 bilhões de euros.
 
A Bvlgari é a maior parte desta divisão. E posso repetir o que Bernard Arnault disse há dois anos – desde a aquisição em 2011, as vendas da Bvlgari mais do que duplicaram e os lucros cresceram mais de cinco vezes. Na época, muitos analistas comentaram que o valor era muito alto, cerca de 5 bilhões de euros. Mas desde então, a aquisição tem respeitado o plano de negócios, o que é muitas vezes falha! Além disso, em termos de qualidade, concentramo-nos mais em joias de alta qualidade. Mais do que nunca, nós defendemos as joias. Também somos fortes em fragrâncias e acessórios, mas há muitas marcas como esta no nosso grupo.
 
FNW: Onde consegue a maior parte das suas vendas?
JCB:
Quando a empresa foi adquirida, mais de metade do nosso negócio estava no comércio atacadista e agora é menos de um quarto. Até ao final deste ano, não venderemos joias por atacado. E somente venderemos relógios fora da nossa rede em lojas especializadas. Tornamos as nossas boutiques mais femininas e, por isso, são menos um destino para os homens.
 
FNW: Isso ficou claro na nova loja da Place Vendôme
JCB:
 Paris é uma das cidades mais admiradas pela sua arte e arquitetura. E a Place Vendôme é o destino número um para as joias de luxo no mundo. Portanto, tivemos de brilhar lá – com um estilo realmente romano, joias inspiradas na arte e arquitetura romana. E Peter Marino criou a mais bela loja, um belo ninho.


Il Ristorante do Bvlgari Hotel Paris - Foto: Cortesia da Bvlgari - Bulgari


FNW: Tem estado ativo na Índia?
JCB:
Sim, temos uma estratégia ambiciosa. Com apenas uma boutique em Deli, estamos abrindo uma segunda em Bombaim. E começamos uma distribuição multimarcas – para termos uma massa crítica. A atriz Priyanka Chopra Jonas tornou-se o nosso rosto principal na Índia. Priyanka também esteve comigo recentemente no Dubai, para nos apoiar no lançamento do colar de noivas Mangalsutra. O passo seguinte é criar mais joias com ressonância na Índia e tornar a marca a primeira marca a acrescentar artesanato local e a prestar uma homenagem à Índia.
 
FNW: Na China deixaram de colaborar com o rapper Kris Wu, certo?
JCB:
 Ele foi acusado de abuso, por isso cortamos nossa relação.
Embora estejamos indo muito bem na China, que representa um quarto das nossas vendas – estamos fortes mas não demasiado. Temos 40 boutiques em 25 cidades; 35 são da nossa propriedade, cinco são franquias. Existem mais 100 cidades de 10 milhões de habitantes, por isso há muito espaço para crescer! E operamos em duas plataformas de comércio eletrônico – Bvlgari e We-Chat.
 
FNW: Quão importante é o comércio eletrônico?
JCB:
Bastante marginal – o que é comum nas joias de luxo, uma vez que as pessoas não compram em todas as estações do ano. Além disso, os relógios precisam de um ajuste de pulseira, pelo que é necessário visitar uma loja. Assim, temos uma menor presença, exceto nos EUA, onde respondemos mais de 10% de comércio eletrônico. Mal atingimos 5% em todos os outros países.
 
FNW: Quem são os seus concorrentes?
JCB:
Cartier, Van Cleef & Arpels e Tiffany, mais Bvlgari – constituem os quatro grandes a nível mundial. E algumas marcas de moda – Dior, Chanel, Louis Vuitton, e até Chaumet. É preciso lembrar que a joalheria é um fenômeno com 15.000 anos, desde que a humanidade começou a celebrar os momentos mais importantes das suas vidas. Hoje em dia, a joalheria nunca esteve em melhor posição. Cerca de 70% do mercado mundial ainda é constituído por joias sem marca. Portanto, o potencial de crescimento das marcas é muito importante – uma vez que as joias de marca são adquiridas mais rapidamente. Há duas gerações, a joia de família ao virar da esquina era o depositário das suas emoções. Hoje em dia, as marcas tornaram-se esse agente fiduciário.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.