Denim Première Vision regressa a Paris apostando em novas estratégias

Quem ama jeans não poderia imaginar entrada mais triunfal que caminhar em Paris sobre um imenso tapete azul, no exato tom índigo. Assim se apresentou a mais recente edição da feira Denim Première Vision, que ocorreu entre os dias 2 e 3 de novembro na Cidade Luz.
 
O retorno à cidade após as edições de Barcelona, no entanto, resultou em uma sensível redução no número de visitantes. Em parte, devido a uma importante fatia do público que optou pela Kingpins Show, feira que acontecia paralelamente em Manhattan e que se tornou mais conveniente para os compradores dos Estados Unidos.
 
Lembrando que a feira aconteceu também exatamente uma semana após a edição da Kingpins Show em Amsterdã, logo, muitas coleções trouxeram o mesmo sortimento exposto nos encontros mais recentes.

Expositores recebem consumidores na Denim Première Vision em Paris. - Foto: Denim Première Vision

A despeito dos ajustes de tempo e lançamento das coleções, a Première Vision mostrou-se uma oportunidade para lançar novas estratégias, como o Premium Denim Market, onde uma seleção de peças 'vintage' podia ser adquirida, e o Share & Shake, reunindo uma seleção de especialistas no segmento em palestras e interações.
 
Quanto aos produtos, foram apresentadas interessantes novidades para o verão 2018, especialmente na Kassim Denim. A companhia lançou no evento o primeiro denim confeccionado com estampa em 3D. Produzido com uma resina de poliéster obtida a partir de plástico reciclável, o tecido é biodegradável e altamente flexível.
 
Além disso a companhia lançou um microchip que pode ser acoplado ao jeans a fim de captar informações como temperatura do corpo, localização, movimento, tudo por meio de um aplicativo.
 
No geral, as tecelagens buscaram tecnologias capazes de manter o denim limpo, amenizar o calor, permitir versões mais leves, macias e com propriedades de resfriamento. A Prosperity, por exemplo, desenvolveu um denim funcional, com propriedades antimicrobianas, que mantém o tecido limpo por um período de dois a três meses dispensando lavagem. Além disso a companhia apresentou um novo denim que incorpora a fibra Air Lite, componente que garante a possibilidade de um tecido 10% mais leve, flexível e com toque macio.
 
A Vicunha, por sua vez, desenvolveu uma gama especial que incorpora a fibra Dryaarn, com fibras 30% mais leves e propriedades de resfriamento. A Calik Denim desenvolveu o novo Fix-Fit, gama de denim macio disponível em pesos leves. A US Denim trouxe o sortimento de denim MaxFlex, o qual garante 100% de flexibilidade e a possibilidade de reduzir a numeração das peças confeccionadas em até dois manequins.
 
No que diz respeito à sustentabilidade, esta continua a evoluir no segmento, como exemplo, a Bossa trouxe uma série de tecidos incluindo o processo Dye-Art, com redução de 22 litros de água para cada metro de tecido tingido. Jeanologia apresentou o Light Sensitive Fabric, um novo estudo de análise de como um tecido em denim reage aos novos processos de acabamento.
 
Quanto às tendências, as criações trouxeram tingimentos manchados, exploraram o 'vintage' e destacaram a influência japonesa nos cortes e bordados. Mas foram os anos 1970 que mais inspiraram coleções. Muitas peças apresentadas nas áreas de tendências da feira focaram nos azuis queimados de sol e nas construções relaxadas com pegada retrô.
 
A Tavex foi uma das empresas que apostaram neste visual, lançando no evento o novo T-Flow denim, variação de índigo leve e macio direcionado justamente às construções soltas que vão permear a temporada. A Calik, por sua vez, trouxe interessantes variações de dégradé.
 
E na lavanderia do verão 2018, a feira apontou para a divisão das cartelas índigo entre os tons escuros e tensos de azul e os fortes como o blue ice, trabalhados com efeitos 'vintage' como inspiração e estética principal.

Copyright © 2019 Guia JeansWear. Todos os direitos reservados.

DenimTêxtilSalões de Moda
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER