×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
8 de abr. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Demanda por relógios de luxo registra forte aumento

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
8 de abr. de 2022

Os relojoeiros de luxo vêm experimentando um bom momento, com um aumento na demanda por seus produtos, obrigando alguns a adiarem o lançamento de novas coleções e outros a investirem mais na capacidade de produção.


Relógio Faubourg Polka - Photo: Hermès - DR


Depois que a pandemia atingiu severamente a economia global em 2020, o setor teve uma recuperação espetacular no ano passado e começou 2022 melhor ainda, embora a guerra da Rússia na Ucrânia tenha gerado novas incertezas.

No ano passado, os relógios foram o negócio com melhor desempenho para o grupo de luxo francês Hermès, com aumento de 73% nas vendas. "Tivemos um ano extraordinário na divisão de relógios", disse o vice-presidente do grupo, Guillaume de Seynes, entrevista à AFP durante o salão 'Watches and Wonders' em Genebra, Suíça, esta semana, uma dos maiores eventos anuais do setor.

"Podemos sentir uma dinâmica muito forte para a relojoaria em todo o mundo", disse ele, acrescentando que houve uma grande demanda por um modelo de relógio masculino no ano passado. “Poderíamos ter vendido mais se pudéssemos produzir mais", disse Seynes, observando que os relojoeiros enfrentam um "fenômeno de demanda que excede a capacidade de produção”. Sua prioridade para 2022, aliás, é investir na produção.


- Ano sólido -

A marca Oris também teve "um ano muito forte", disse o seu presidente executivo, Rolf Studer. Os relógios Oris custam entre 1.800 e 7.200 francos suíços (1.928-7.710 dólares ou 1.767-7.064 euros).

A empresa teve que adiar o lançamento de uma nova coleção na faixa de preço mais alta porque não produzia movimentos de relógio suficientes - seus mecanismos internos - em suas oficinas. O relógio deveria ter sido lançado no ano passado, mas só está sendo lançado agora.

"Planejamos de forma muito conservadora", disse Studer. "Então decidimos manter os movimentos para os relógios que já estavam em circulação em vez de lançar novos modelos e não poder fornecer modelos já existentes no mercado", acrescentou.

As exportações de relógios suíços se recuperaram no ano passado, aumentando 31,2% após uma contração de 21,8% em 2020, quando os países fecharam as fronteiras e entraram em estritos bloqueios devido à Covid-19.

As exportações não só ultrapassaram os níveis pré-pandemia, como também bateram o recorde de 2014. Eles aumentaram quase 16% nos primeiros dois meses deste ano, de acordo com dados do setor, embora a recuperação tenha sido vista apenas em relógios com valor superior a 3.000 francos suíços.


- Lista de espera -

O setor agora está se preparando para as consequências da guerra na Ucrânia e sanções à Rússia, que tem uma base considerável de clientes afluentes. Mas a indústria pode contar com longas listas de espera para relógios de última geração.

"Como não tínhamos relógios suficientes para outros mercados, venderemos aqueles que não serão entregues à Rússia em outros lugares", disse Edouard Meylan, CEO da H. Moser & Cie., à AFP. Toda a sua produção de 2022 já está pré-vendida a varejistas e parcialmente pré-paga pelos clientes finais.

A H. Moser fabrica apenas 2.000 relógios por ano a um preço médio de 45.000 francos suíços. O relojoeiro está até rejeitando pedidos que exigem mais de dois anos de espera.

"Há incertezas que podem ser criadas em outros mercados, principalmente nos mercados financeiros", disse Meylan. "Mas teríamos que ter uma grande queda para que uma marca independente como a nossa fosse afetada", acrescentou.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.