×
Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de mai. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

De Kering a Lvmh, para o luxo, a guerra é pior que a Covid-19

Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de mai. de 2022

A guerra na Ucrânia está penalizando mais os grandes grupos de luxo do que a Covid-19. Ou pelo menos as repercussões parecem estar desacelerando o crescimento: as capitalizações em muitos casos estão diminuindo, com as ações mostrando uma tendência de queda. Empresas ainda estão fechando lojas por conta da pandemia, como na China, onde o objetivo é eliminá-la. Fatores que prejudicam a situação em relação à oferta de matérias-primas, juntamente com os aumentos dos preços da energia.


@louisvuitton


O efeito não poupa grandes nomes, como o grupo francês LVMH. A capitalização foi reduzida para 293,4 bilhões de euros, em comparação com 328,6 bilhões em junho de 2021, e as ações fecharam a semana na Bolsa de Paris nos níveis de abril de 2021, em 581,3 euros (+2,8%). Para a outra gigante francesa Kering, a perda é quase igual em valor, mas muito mais pesada em porcentagem: a capitalização caiu para 57,3 bilhões de euros, comparada a 91,9 bilhões em junho do ano passado. As ações tinham caído com para 357,6 euros em 18 de março de 2020, subindo depois para 792,1 euros em 12 de agosto de 2021, e na sexta-feira (13) fecharam a 460,1 euros (+2,4%). O impacto na Richemont, holding de alta relojoaria e joalheria de Genebra, que tem 61,1 bilhões de francos (58,6 bilhões de euros) de capitalização, foi menos impressionante, em comparação com 65,1 bilhões de francos em junho passado. As ações fecharam a semana em 106,5 francos (102,2 euros, + 1,3%), depois de terem saltado para 144,7 em 7 de dezembro de 2021.

Para a Hermes Internacional, a capitalização caiu para 112,9 bilhões de euros, contra 122,3 em junho passado, em todo caso superior aos 92,4 em janeiro anterior. As ações atingiram o pico de 1.675 euro por ação em 19 de novembro de 2021, e agora fecharam em 1.070 euro (+ 3,4%), nos níveis de maio de 2021. A Prada é uma exceção, com uma capitalização que subiu para 13,9 bilhões, de euros, melhor do que os 13,6 bilhões de euros de junho passado, com as ações agora a 5,4 euros (+1,5%), essencialmente nos níveis de junho. Para a Ferragamo, a capitalização é de 2,6 bilhões de euros, perto dos 2,7 bilhões de janeiro de 2021, mas abaixo dos 3,2 bilhões de euros de junho, com as ações que fecharam na sexta-feira (12) em 15,7 euros (+5,2%), após o mínimo de 13,4 euros, em 10 de maio. A Moncler tem uma capitalização de 12,4 bilhões de euros, perto de 12,5 bilhões em janeiro de 2021, mas abaixo dos 15,95 bilhões de junho, e terminou a semana em 45,3 euros (+3,4%).

Copyright © 2022 ANSA. Todos os direitos reservados.