×
Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
26 de fev. de 2015
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Creme que promete remover tatuagens está em desenvolvimento

Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
26 de fev. de 2015

Relaxnews – Uma pomada de uso tópico que poderia simplificar drasticamente o processo invasivo e custoso de remoção de tatuagem está sendo desenvolvida no Canadá.

O creme incentiva o processo natural de cicatrização da pele - o mesmo que é ativado na hora em que a pessoa faz a tatuagem - de acordo com Alec Falkhenham, candidato a doutorado em patologia na Universidade de Dalhousie, que descobriu a tecnologia.

Ao se fazer uma tatuagem, os glóbulos brancos da pele, conhecidos como macrófagos, começam a consumir a tinta.
"Os macrófagos são conhecidos como os grandes "comedores" do sistema imunológico", explica Falkhenham. "Eles comem corpos estranhos, como pigmentação da tatuagem, para proteger a pele em volta".

Eles também reagem de várias formas à tinta, uma delas transportando parte da pigmentação para os nódulos linfáticos para drenagem.

Enquanto os macrófagos "transportadores" cuidam da remoção da tinta na área, os "comedores" afundam cada vez mais na pele, tornando-se inativos, o que forma o desenho da tatuagem.
Eles são eventualmente substituídos por novos macrófagos, o que explica por que as linhas da tatuagem acabam vazando com o passar do tempo.

O creme de Falkenham é chamado "Bisphosphonate Liposomal Tattoo Removal" (BLTR) e convoca os macrófagos transportadores para a ação, incentivando-os por meio do principal componente presente na pomada chamado lipossoma.

"Quando os novos macrófagos chegam para remover o lipossoma das células que continham pigmentação, eles também acabam levando a tinta com eles até os nódulos linfáticos, o que resulta no apagamento da tatuagem", afirma Falkenham.

Os potenciais efeitos colaterais estão limitadas às poucas células próximas à tatuagem que não foram pigmentadas, e o creme é mais seguro que o tratamento atual de remoção a laser.

A tecnologia de Falkenham já foi patenteada e as empresas Sprinboard Atlantic e Innovacorp Early Stage Commercialization Fund estão ajudando a trazer o projeto até o mercado de consumidores.

Copyright © 2021 AFP-Relaxnews. All rights reserved.