×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
29 de jan de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Coronavírus: qual o impacto na economia mundial e no luxo?

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
29 de jan de 2020

Restrições drásticas nos transportes, turismo paralisado, consumo sob pressão e turbulência na indústria: a epidemia de coronavírus ameaça agravar a desaceleração de uma economia chinesa já frágil, lembrando o trauma da SARS em 2002-2003. Ansiosa para conter o vírus, que já infectou mais de 2.700 pessoas, Pequim adotou medidas de contenção sem precedentes que correm o risco de paralisar a economia.


Primeiro-ministro chinês Li Keqiang visita um supermercado em Wuhan, epicentro do surto do coronavírus. - AFP


Se os gastos com consumo na China, especialmente em transporte e lazer, diminuirem 10%, o crescimento do PIB do país poderá ser reduzido em aproximadamente 1,2 ponto percentual, segundo a agência Standard & Poor’s. Segundo ela, "os consumidores provavelmente evitarão locais públicos" e "os setores expostos aos gastos das famílias devem ser os mais afetados". O que piorou a desaceleração econômica: o crescimento chinês no ano passado registrou seu desempenho mais fraco em quase 30 anos (+ 6,1%), e Pequim estava contando com o consumo (que representa 3,5 pontos percentuais de crescimento em 2019 ) para compensar.

"No pior momento da epidemia de SARS, em maio de 2003, o tráfego de passageiros (todo o transporte combinado) diminuiu 50% em relação ao ano anterior e o crescimento das vendas no varejo caiu pela metade em poucos meses", lembra Julian Evans-Pritchard da Capital Economics. Desde então, o setor de serviços se fortaleceu e agora responde por mais da metade do PIB da China. No entanto, “a ascensão do comércio eletrônico e dos serviços de entrega de alimentos podem mitigar o impacto”.
 
Preços das ações de grupos de luxo são afetados
 
No entanto, os analistas financeiros estão cada vez mais preocupados. "As bolsas de valores do mundo todo estão sob pressão esta semana, à medida que aumentam as preocupações com a propagação da epidemia de coronavírus na China", resume Neil Wilson, analista da Markets.com.
 
Os preços das ações dos principais grupos de luxo, todos muito bem estabelecidos entre os consumidores chineses, foram particularmente afetados. Em Paris, o preço das ações da LVMH, o grupo de luxo número um do mundo, caiu 3,54% para 401,55 euros, a Hermès caiu 4,61% para 678,20 euros, e a L'Oréal -4,25% para 259 euros. Em Londres, o preço das ações da Burberry despencou 4,39%, para 2007 centavos.

Esperava-se que as celebrações do Ano Novo Chinês fossem um período favorável para o consumo, mas o cancelamento das celebrações em todo o país afetarão as vendas de artigos de luxo. Entre as medidas tomadas pelo governo chinês, a cidade de Wuhan, epicentro da epidemia, foi efetivamente isolada do resto do mundo, assim como quase toda a província central de Hubei. E em um esforço para restringir ainda mais as viagens durante o feriado do Ano Novo Chinês, o governo suspendeu as viagens turísticas dentro e fora da China, um golpe no turismo, um dos principais contribuintes para a economia chinesa, que representou 11% do PIB em 2018, segundo dados oficiais.
 
Em Wall Street, o preço das ações da Trip.com, gigante chinesa de viagens online, que está considerando abrir capital em Hong Kong, caiu 18% em quatro sessões. Na segunda-feira, a empresa anunciou que oferecerá uma "garantia de cancelamento" gratuita. As repercussões serão sentidas em outros lugares da Ásia, do Japão à Tailândia, onde os gastos dos turistas chineses são um motor crucial do crescimento econômico.


Impacto do Turismo


A Europa também será afetada, especialmente a França. Com mais de 2 milhões de visitantes por ano, os chineses representam uma clientela significativa para o país e são, acima de tudo, os que gastam mais. O número de turistas chineses na França saltou de 715.000 em 2009 para cerca de 2,2 milhões em 2018, de acordo com a Atout France, agência nacional que promove o turismo no país.
 
Embora os turistas chineses tenham representado aproximadamente 2,5% do total de turistas na França nos últimos anos, "seu impacto é muito maior em termos econômicos: eles gastaram 4 bilhões de euros, o que equivale a 7 % da receita total do turismo (para o país)", disse Jean-Pierre Mas, presidente da Entreprises du Voyage, a organização que representa o setor de viagens na França, em conversa com a agência AFP.  Somente em Paris e em sua região, os visitantes chineses gastaram 265 milhões de euros em 2018 em bens "duráveis", que não são consumidos localmente, como bolsas, roupas e perfumes, de acordo com dados da Câmara de Comércio de Paris e Região. Isso os torna os maiores compradores, à frente dos americanos (246 milhões de euros), dos espanhóis (85 milhões) e dos japoneses (78 milhões).

As festividades do Ano Novo Chinês, de 25 de janeiro a 8 de fevereiro, mas também as duas semanas seguintes, são cruciais para os varejistas: em 2018 e 2019, as vendas isentas de impostos para os turistas chineses durante o período representaram cerca de 10% do total despesas anuais, lembra o operador de reembolso de impostos, Planet. Em 2019, o turismo chinês representou 32% do valor das vendas isentas de impostos na França, detalha a Planet.
 

Redação com a AFP
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.