Chloé: o chic de uma Stéphane Audran contemporânea

Stéphane Audran, uma beleza francesa, curiosamente com um nome próprio masculino, foi a inspiração para o mais recente desfile da Chloé, o que se revelou uma escolha particularmente inspirada. 


Photo: PixelFormula

Audran, estrela de muitos filmes de Luis Bunuel e Claude Chabrol, encarnou uma certa imagem de rigor da alta burguesia francesa misturada com um considerável poder de sedução. E foi basicamente isso que a Chloé propôs para o outono de 2018, com a designer Natacha Ramsay-Levi a apresentar, no seu segundo desfile para a marca, uma excelente coleção de chic francês contemporâneo.
 
A ideia-chave, repetida pelo menos 30 vezes, foi um jogo em torno do vestido-camisa. Com inserções de renda, rachas em múltiplos ângulos, acabamentos com folhos, feito em seda delicada ou apresentado em lã autoritária – todas as ideias foram bastante fortes e adequadamente sedutoras. Era fácil imaginar a misteriosa Stéphane Audran – que atualmente, com 85 anos, vive em Versaille e é ela própria uma enorme fã da Chloé – a usar todos estes vestidos-camisa.
 
Ramsay-Levi também os apresentou com decotes profundos, com formato évasée abaixo da cintura, com faixas horizontais inseridas e com estampados de estilo Art Déco. Tudo parecia ondular com otimismo.
 
Para as tardes mais frias, a designer propôs jodhpurs alongados, como o par que ela própria usava quando saiu para agradecer após o desfile, por vezes rematados com pelo de cabra. De fato, dos casacos em pele de pônei aos peludos casacos jerkins estilo posh hippie, esta coleção foi uma declaração a favor das peles.
 
“Isto foi sobre a burguesia, uma classe que está sempre movendo os seus limites, por vezes sendo revolucionária, outras vezes sendo mais comedida. E eu queria jogar com isso. Por isso, chamei à coleção Play of Selves (Jogo de identidades), como uma referência ao trabalho de Cindy Sherman. E pensei muito em Stéphane Audran, que em muitos dos seus filmes estava vestida de Chloé. Por isso, eu queria uma mulher perigosamente sedutora”, disse a designer.
 
Quase todas as modelos desfilaram com botas com cordões de couro e pele de lagarto, com saltos de metal, algumas até cobertas com cotas de malha em miniatura. Além disso, cada modelo trazia longas correntes douradas, amuletos, pulseiras e grossos anéis. Felizmente, este foi um desfile praticamente livre de logótipos, com apenas as meias a serem decoradas com o nome da marca.
 
Apresentando-se em frente às janelas gigantes da Maison de la Radio, com a Torre Eiffel no horizonte, o elenco de modelos desfilou sobre uma passarela octogonal diante de uma enorme parede abstrata pendurada.

“Ultimamente parece que só vejo imagens cinematográficas na minha cabeça. Mas, como o meu companheiro, quer dizer, o meu namorado, é cineasta, acho que isso faz sentido”, brincou a designer depois de abraçar um grupo de it girls, entre as quais Lou Doillon e Mia Goth. 

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - AcessóriosLuxo - CalçadosLuxo - DiversosDesfiles
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER