×
Por
Portugal Textil
Publicado em
11 de abr. de 2011
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

China na rota dos artigos de luxo

Por
Portugal Textil
Publicado em
11 de abr. de 2011

Gostemos ou não, o modelo de desenvolvimento econômico chinês baseado na estratégia “Um país, dois sistemas” tem provado que funciona e garantido que o caminho da nação mais populosa do mundo para se tornar a economia mais poderosa e hegemônica “faz-se caminhando” e parece, aos dias de hoje, irreversível.


Empresas têxteis na China continuam a crescer


Apesar das pressões sociais que têm levado ao aumento generalizado dos salários e ao aumento da classe média chinesa a um ritmo alucinante, setores de mão-de-obra intensiva como a Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV) continuam a crescer. Só nos primeiros meses deste ano, esse crescimento foi de 10,7%.

Surpreendentemente, e ao contrário do que se poderia pensar, este aumento não se deveu è elevação dos preços de venda, face ao aumento dos custos de produção, mas sim ao aumento das quantidades vendidas.

A produção de fio, tecido e vestuário cresceu, respectivamente, 15,3%, 13,9% e 14,6%. Taxas de crescimento que são superiores em quantidades ao volume de negócios, o que indicia claramente quedas moderadas nos preços de venda.

Mas se o volume de negócios cresceu na casa dos 10%, as exportações da ITV tiveram ainda um crescimento mais expressivo. Acréscimos de 20,8% nos produtos têxteis são assim um bom exemplo de que a hegemonia da China no início da fileira moda está aí para ficar.

No outro extremo da cadeia de valor da moda, o consumo de artigos de luxo, estudos especializados apontam para que o mercado chinês passe a ser determinante para as marcas que atuam nesse segmento.

Se o crescimento das marcas de luxo tem sido conquistado majoritariamente nos últimos três anos, à custa dos mercados emergentes com especial enfoque na China, o que nos reserva o futuro não será muito diferente.

E essa realidade não está assim tão distante. Segundo um estudo da consultora McKinsey, o mercado chinês representará 20% do consumo de artigos de luxo já no ano de 2015. Cerca de 27 bilhões de dólares anuais de receitas são obtidas, neste país, por marcas como a Louis Vuitton, a Burberry, a Hermés ou a Gucci.

A expansão do segmento de luxo ocorre devido ao rápido aumento dos rendimentos, da entrada das marcas de luxo no mercado e na mudança da atitude dos chineses no que diz respeito à ostentação.

O estudo da consultora aponta ainda para a criação de importantes pólos de consumo de luxo em cerca de 60 cidades chinesas e da expansão da base de consumidores da classe alta para a classe média.

Copyright © 2022 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.