×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de nov. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Chantal Gaemperle (LVMH): “É preciso investir urgentemente em formação para suprir os importantes déficits de contratação”

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de nov. de 2021

A LVMH organizou o evento "Show Me" em Florença, no dia 19 de novembro, para promover as profissões de luxo e o seu programa de formação dedicado, através do Institut des Métiers d'Excellence (IME), que criou em 2014. Nesta ocasião, Chantal Gaemperle, diretora de Recursos Humanos e Sinergias do grupo, descreveu ao FashionNetwork.com as novas necessidades da indústria do luxo e as estratégias estão sendo colocadas em prática.


Chantal Gaemperle, diretora de Recursos Humanos e Sinergias do grupo - LVMH


FashionNetwork.com: Neste momento, em que setores há mais dificuldade em recrutar?
Chantal Gaemperle: Serviços em geral: hotéis, comércio. Na Itália existe, em particular, uma enorme tensão nos artigos de couro. Isto está em parte ligado à crise de COVID-19. Os eventos que organizamos, tais como o de Florença, têm como objetivo fazer um forte apelo.
 
FNW: Quais são as profissões de excelência na LVMH?
CG: Fizemos uma lista de 280 delas, e vão desde a arte de vender até à produção de produtos de alta qualidade nas indústrias da moda e artigos de couro, etc. Até temos um barbeiro na LVMH, a Acqua di Parma. É preciso investir urgentemente em formação para suprir os importantes déficits de contratação. A observação de hoje é que há falta de pessoal qualificado. Queremos intervir para evitar a extinção destes ofícios, porque se não investirmos hoje, quem irá transmitir este know-how, estes gestos, esta experiência? É urgente agir agora para se preparar o futuro. Ao mesmo tempo, o nosso sistema de formação é virtuoso porque dá emprego aos jovens.

FNW: Em geral, estes não são trabalhos muito atraentes.
CG: É um problema de percepção. Se conhecer as pessoas que possuem este know-how, muitas das quais estão conosco há 20 ou 30 anos, você terá uma visão diferente! É mais do que atraente, porque faz sentido. É verdadeiramente um artesão, com um savoir-faire que contribui para a influência de um grupo como o nosso. Penso que precisamos de trabalhar na forma como olhamos para estes trabalhos, que infelizmente não são conhecidos ou não são bem conhecidos, e não são suficientemente valorizados.
 
FNW: Estes são também trabalhos que não são muito bem pagos...
CG:
No nosso caso, tentamos ter uma formação que conduza a qualificações e depois a um trabalho que dure. É uma boa garantia para enfrentar o mundo de hoje. Além disso, quando se está motivado e se gosta do que se faz, é uma forma de ganhar significado, é isso o importante. Como ilustrado no filme "Haute couture" de Sylvie Ohayon, que acaba de ser lançado, que mostra a diferença entre um emprego que não o preenche e uma profissão que é quase uma vocação. Estamos tentando encorajar as vocações.
 
FNW: Como você pretende sensibilizar os jovens para estes trabalhos?
CG:
Desenvolvemos uma série de ações, todas elas com o objetivo de procurar estes jovens. Somos nós que saímos ao seu encontro, porque muitas vezes eles próprios se censuram. Um jovem dos subúrbios não se imagina, por exemplo, a trabalhar para a Chaumet ou Louis Vuitton. Consequentemente, vamos às escolas para apresentar as profissões na companhia das pessoas que as praticam. Criamos a Village des Métiers d'Excellence, uma reunião que oferece contratos de estudo-trabalho, onde apresentamos todo o know-how. Fomos a Montfermeil e Clichy-sous-Bois. Queremos reforçar estas ações promocionais. No próximo ano, queremos ir à todas as regiões da França.
 
FNW: Qual o percentual de aprendizes que passaram pelo Institut des Métiers d'Excellence e se juntam à LVMH?
CG:
A grande maioria encontra uma oportunidade no nosso grupo ou trabalha com os nossos fornecedores ou parceiros. Eu diria que provavelmente mais de 80%. O que também é importante são os jovens que decidem continuar a sua formação e apostar nela porque o IME lhes despertou uma vocação.
 
FNW: Quanto tempo dura um curso de formação?
CG:
Depende do ofício, mas leva anos de aprendizagem. Por exemplo, são necessários sete anos para se tornar um joalheiro.
 
FNW: E no IME?
CG:
Os cursos de formação duram, em média, 18 meses.
 
FNW: O IME cobra alguma taxa?
CG:
Não. Os estudantes são pagos como aprendizes. Sendo assim, trabalham alternadamente e o seu material escolar é pago.
 
FNW: O processo de seleção é difícil?
CG:
Eu diria que é exigente, porque se queremos perpetuar a excelência, que é o objetivo, é preciso perseverança e muito trabalho. A excelência tem de ser empurrada para cima. Portanto, temos absolutamente de manter um nível elevado. Por outro lado, temos de ser generosos na nossa abordagem à inclusão e na abertura que promovemos nos nossos critérios de contratação. Mas alguém que está motivado e quer trabalhar tem todas as chances..
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.