Chanel "anda como um egípcio" em Nova York

Como diz a canção: "Walk like an egyptian”. E, nesta temporada, vista-se como um.Chanel apresentou sua mais recente coleção Métiers d'Art no Templo Dendur, agora localizado dentro do Metropolitan Museum of Art, em Nova York.


Chanel

Originalmente localizado nas margens do Nilo, o templo era o cenário ideal para apresentar esta coleção com referências claras às mulheres dos faraós, as princesas do Egito Antigo; aos hieróglifos e às joias do Império do Meio, com formas inesperadas.
 
Pharrell Williams desfilou no mais puro estilo de um faraó, usando calças e botas de couro douradas, com uma túnica com nervuras combinando e um colar digno do próprio Tutancâmon. Foi muito apreciado seus olhos de Cleópatra, com uma borda branca alongada, detalhe feito pela maquiadora Lucia Pica.
 
O estilo do cantor / produtor ganhou um murmúrio inaudível de aprovação de uma fila cheia de estrelas como Margot Robbie, Julianne Moore, Marion Cotillard, Sophia Coppola, Diane Kruger e centenas de clientes privados.
 
Todos sentados ao redor do antigo templo egípcio, resgatados da destruição nos anos 60, quando a recém-construída Barragem de Aswan, no Nilo, teria inundado o local. O templo de Dendur foi transferido para o Met, onde foi cuidadosamente reconstruído para que os visitantes pudessem apreciar sua elegância e seus belos pictogramas e símbolos.
 
"Muitas pessoas não percebem, mas Nova York é cheia de desenhos e arte egípcia em muitos dos seus edifícios, o que mostra quão poderosa era a cultura", disse Karl Lagerfeld, em um quarto de volta da seção de artes decorativas do Met , decorado com um grande afresco de Versalhes, enquanto cumprimenta Blake Lively e Penélope Cruz


Chanel

"É impressionante. A combinação de idéias e culturas era linda", sussurrou Cruz, usando um manto Chanel de penas pretas e verdes.
 
As saias decoradas dos faraós também foram reproduzidas em saias suntuosas; tecidos de ouro polido; medalhões de tecido e mini vestidos xadrez metálico. O convite incluiu um excelente esboço de Karl, que mostra Coco vestindo uma fantasia exclusiva de Chanel, vestida como Dama da Liberdade: segurando a chama da Estátua da Liberdade e usando a famosa coroa estrelada da deusa.
 
Lagerfeld é o único a misturar o conceito em sua totalidade com um pouco de graffiti de Nova York, combinando símbolos egípcios, sinais trilaterais e números.
 
Chanel visitou os Estados Unidos pela primeira vez em fevereiro de 1931, com destino à Los Angeles, onde o produtor Samuel Goldwyn a contratou para vestir as principais atrizes do cinema. Uma das maiores estrelas dessa profissão, Katharine Hepburn, mais tarde interpretou Coco em um musical de mesmo nome na Broadway, em 1969.
 
As cores principais eram brancas e, acima de tudo, douradas. Estes foram vistos em botas de couro acolchoadas, chapéus de boné de couro dourado e inúmeras joias metálicas.


Chanel

"O dourado era uma cor chave para os egípcios. Ideal para botas, embora não para meias, pois podem parecer barato rapidamente", disse Lagerfeld dentro do museu, ao lado de um grande obelisco.
 
Uma combinação de roupas bonitas com um elenco estelar, roupas perfeitas para a noiva de Ramsés III ou para uma mulher com aspirações.
 
Após o desfile, o espaço se transformou em uma clássica festa americana em uma versão hipster com barracas de cachorro-quente e hambúrgueres. Uma visão digna de David Lynch, dentro de uma grande tenda personalizada localizada no Central Park.
 
A festa contou com a cantora etíope Kelela e uma equipe de dançarinos, mas antes disso, um grupo performou durante uma hora em frente a um público deslumbrado de 1000 pessoas.

Eles não andaram como os egípcios, mas a iconografia egípcia estará de volta em grande estilo no ano que vem. Isso mostra que Lagerfeld continua ditando moda, mesmo aos 85 anos de idade.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - DiversosColeção
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER