×
Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de mar. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

CEO do Swatch Group vê queda de sucesso na China

Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de mar. de 2020

ZURICH (Reuters) - O relojoeiro suíço Swatch Group está a sofrer um "duro golpe" com o surto do novo coronavírus que afetou fortemente os negócios no grande mercado chinês, disse o CEO, Nick Hayek, numa entrevista ao jornal suíço SonntagsZeitung.

"Dada a nossa posição muito forte no mercado chinês, é claro que somos massivamente atingidos pelo fecho temporário de centenas de lojas", reforçou o CEO. "Mas estamos a ver menos problemas no lado da cadeia de suprimentos porque o Swatch Group produz muito por si só na Suíça".


Grupo Swatch afetado pelo novo coronavírus - REUTERS/Denis Balibouse


"Somos um grupo basicamente sólido, sem dívidas e não infectado pelo vírus a curto prazo no mercado de ações. Esta situação também vai melhorar, apesar de todos os profetas da desgraça".

Hayek rejeitou as sugestões de que a indústria de relojoaria suíça estava em risco de rivais estrangeiros de baixo custo ou smartwatches digitais, como o Apple Inc's Apple Watch .

"Eu não vejo uma crise para a indústria de relojoaria suíça. Pelo contrário", acrescentou, observando que as vendas reais eram mais importantes do que os dados de exportação. "Desde 2010, o segmento médio e superior da Swatch Group com suas sete marcas, da Tissot à Longines, cresceu mais de 36%, para muito mais de seis milhões de peças", disse.

"Só a Tissot - e esta é a primeira vez que o revelo publicamente - cresceu mais de 30% desde 2010, para cerca de 3,6 milhões de peças". A única queda acentuada da Tissot em volume deu-se, o ano passado, com uma queda de cerca de 250 mil peças no segundo semestre, devido à situação em Hong Kong".

A agitação em meio a protestos pró-democracia em Hong Kong estava a ter um efeito notável, mas as vendas da Tissot nos EUA e Japão subiram cerca de um terço no ano passado contra 2015.

Hayek disse ainda que as exportações de relógios suíços de nível básico estavam a cair porque outros fabricantes se concentravam apenas no segmento de luxo, na falsa crença de que era a única área a ganhar dinheiro.

Questionado sobre os ataques ao segmento de preço médio pela Apple Watch, Hayek disse que a Swatch havia cortado a sua rede de distribuição em cerca de 30% desde 2015 porque muitas lojas foram atingidas pela concorrência on-line.

Nick Hayek reconheceu que a empresa deveria ter agido mais rapidamente para mudar para o comércio eletrônico, mas está no caminho certo para quebrar a barreira de um milhão de vendas online este ano.


Swatch Group registra perdas com fecho de lojas na China - Reuters


O Swatch Group foi também atingido no segmento de preços mais baixos, pela forte valorização do franco suíço, desde que o banco central suíço descartou inesperadamente o limite que havia imposto ao franco contra o euro em 2015.

O grupo não teve necessidade de cortes de empregos, a não ser uma redução ligada à expiração de um contrato de licença para relógios Calvin Klein no segmento inferior, concluiu Nick Hayek.

(Reportagem de Michael Shields; Edição de Elaine Hardcastle)
 

© Thomson Reuters 2022 All rights reserved.