×
852
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís

Centenas manifestam-se em Bangladesh dois meses após queda de edifício de fábricas

Por
Agência LUSA
Publicado em
today 24 de jun de 2013
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Bangladesh – Centenas de operários têxteis de Bangladesh e sobreviventes da derrocada do edifício Rana Plaza manifestaram-se hoje para exigir ao governo que encontre as pessoas que ainda estão desaparecidos e pague as indenizações devidas.

Familiares das vítimas e trabalhadores convergiram no local da tragédia em Savar, a cerca de 30 quilômetros da capital, Daca, onde há dois meses se deu o colapso do edifício de nove andares onde funcionavam várias fábricas têxteis, matando 1.129 pessoas, segundo o balanço oficial.

Manifestações em Daca (foto AFP)


Segundo um responsável do governo local, 316 pessoas ainda estão dadas como desaparecidas, mas as autoridades consideram que poderão estar entre as centenas que foram enterradas sem ser identificadas.

A consternação dominou o protesto, em que muitos relataram os esforços para localizar familiares desaparecidos e alguns pediram a pena de morte para os proprietários do edifício onde se fabricava vestuário para conhecidas marcas ocidentais. "Não consegui recuperar o corpo da minha irmã mais velha, Laboni Begum", afirmou à France Presse uma operária de 18 anos, Shimu Akter, retirada de entre os escombros duas horas após a queda do edifício.

O governo recolheu amostras de DNA das pessoas que foram sepultadas e prometeu que irá compará-las com as das famílias que esperam por indenizações, embora alguns familiares afirmem que o que querem é encontrar os corpos e não obter dinheiro. "Quero o corpo do meu irmão para podermos levá-lo para a nossa aldeia e enterrá-lo no cemitério da família", afirmou Sujan, outro familiar de um desaparecido.

Por outro lado, há quem se queixe das parcas indenizações recebidas, reclamando tudo a que têm direito. "As autoridades só me deram 8.500 taka (84 euros) como compensação e mais nada", queixou-se Maleka Begum, que tinha saído do Rana Plaza momentos antes da derrocada para ir comprar remédios, reclamando a sua indenização e horas extraordinárias devidas.

Segundo o balanço das operações de socorro, 2.438 pessoas foram retiradas do local do desastre, incluindo 968 pessoas que ficaram gravemente feridas.

Depois da queda do Rana Plaza, o governo do Bangladesh promoveu inspeções a todas as fábricas de vestuário para tentar convencer as marcas ocidentais – que incluem a H&M, Walmart ou Tesco – de que as condições de segurança melhoraram.

No entanto, os sindicatos e especialistas afirmam que ainda há centenas de fábricas que funcionam em edifícios sem condições, provocando receios de que uma tragédia semelhante possa acontecer.

Copyright © 2019 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.