×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de set. de 2021
Tempo de leitura
7 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Carolina Herrera: Wes Gordon encena a sua visão da moda após a paternidade

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de set. de 2021

Raras são as maisons de moda capazes de um tal atrevimento quando se trata de apresentar um desfile nas condições complexas impostas pela atual pandemia. Wes Gordon, o então diretor artístico da Carolina Herrera, tem mostrado uma nova visão do clássico burguês desde a sua chegada, há três anos, em 2018, à empresa fundada pela estilista venezuelana radicada nos EUA.


Wes Gordon - Foto: Sebastian Faena, com a autorização de Carolina Herrera


Ainda mais impressionante é o fato de Wes Gordon, de 34 anos, ter realizado este feito após um verão particularmente atarefado, quando se tornou pai pela primeira vez. Apesar da sua agenda extremamente ocupada, o designer de moda natural de Chicago conseguiu encenar um desfile formidável e íntimo em uma mansão do bairro nova-iorquino Upper West Side, a um passo do Central Park.

Wes Gordon estagiou com Oscar de la Renta e Tom Ford, depois de se formar na Central St. Martins em Londres em 2009. Em 2018, substituiu Carolina Herrera, atualmente com 82 anos, como diretor criativo de sua maison de moda.

Assim, conversamos com Wes dois dias após o Met Gala, onde este fez uma aparição digna de um estreante da era dourada de Hollywood, acompanhado pela modelo americana Karlie Kloss, que ostentava um fantástico vestido de baile vermelho. Outra criação Herrera desenhada por Wes Gordon causou impressão na recém-finalista do US Open de tênis, a canadense Leylah Fernandez de ascendência equatoriana, que apareceu com um vestido de noite com riscas a preto e branco.

FashionNetwork.com: Como você está desde a última vez que conversamos?
Wes Gordon:
Bem, me tornei pai de um menino. O Henry tem três meses, por isso entre criar as coleções, organizar o desfile e ser pai, tenho andado bastante ocupado.

FNW: Como conseguiu organizar um desfile durante a pandemia?
WG:
Tivemos de ser realistas. Se sonhamos em acabar com a COVID-19, ainda vivemos com ela. E tudo o que importa, Godfrey, é que não ameace a saúde pública. Este não pode ser o tipo de evento em que as pessoas que comparecem adoecem ou ficam ansiosas e desconfortáveis. Assim, tomámos uma decisão logo no início: sim, estamos encantados por voltar a algo mais próximo do normal, mas não nos deixemos levar pelo ânimo. Limitamos a audiência a 100 pessoas, onde antes poderíamos ter 800, e o melhor disso é que me foi permitido considerar locais que não teria ponderado de outra forma.


Carolina Herrera - primavera-verão 2022 - moda feminina - Nova York - © PixelFormula


FNW: Como este lugar no Upper East Side?
WG:
Sim, abriu-se um mundo totalmente novo. Conseguimos utilizar lugares como esta galeria de arte, em vez de um grande espaço. Por isso, foi um desfile muito mais íntimo.

Também escolhemos este local porque está dividido em quatro quartos, para que as pessoas não se sentissem aglomeradas. Em vez de bancadas, todos tinham uma cadeira. E pedimos a todos os convidados e empregados da maison que fossem vacinados, sem exceção. Todos os modelos, todos os técnicos de iluminação, todos os cabeleireiros, todos tiveram de ser vacinados, caso contrário, não lhes seria permitida a entrada. Além disso, a audiência foi obrigada a usar uma máscara, tal como todos aqueles que estavam nos bastidores. As únicas pessoas no edifício que não se apresentaram de máscara, sem quebrar as regras, foram as modelos.

FNW: A última vez que apresentou um verdadeiro desfile ao vivo foi há 18 meses no The Shed, certo?
WG:
Exatamente, com 800 pessoas em uma grande sala. Seria extremamente irresponsável da nossa parte tentar fazer isso novamente neste momento.

FNW: Quando falamos em Carolina Herrera, pensamos sempre em mulheres vestidas impecavelmente, para a vida profissional mas também para ocasiões sociais, bailes, festas, inaugurações, casamentos. Durante 18 meses quase não tivemos eventos deste tipo. Isso mudou a forma como se cria?
WG:
Penso que desde que estou na Herrera, temos desenvolvido um verdadeiro diálogo com os clientes. Quer seja na estrada, durante as vendas particulares como nos desfiles de porta-bagagens, ou durante o último ano e meio no Zoom. Tudo isto ajudou-nos a compreender melhor o que a cliente procura, e a assumir riscos criativos, talvez a imaginar um vestido que lhe fale, talvez a tentar oferecer-lhe o casaco na estação seguinte. E para evoluir com a cliente, muito simplesmente.

Assim, o fio comum é o de que a mulher Herrera é sempre uma mulher excitante, procurando roupas excitantes e levando uma vida excitante. Ela compreende que vestir-se é dar poder. O que vimos durante o recolher obrigatório foi que a mulher Herrera sempre quis vestir um vestido bonito e sentir-se fantástica. E talvez o vestido seja de algodão e não de cetim duchese, mas a mulher Herrera, tal como a entendo, nunca está interessada em peças sem graça, vulgares ou básicas. Quando o confinamento estava no seu máximo, esforcei-me por ir buscar o drama e exuberância de alguns dos nossos vestidos de noite ou pegar em vestidos de malha e reinterpretá-los em algodão, com artigos mais orientados para o estilo de vida.

Mas hoje há uma verdadeira loucura para se arrumar novamente. Podemos ver isso nas coleções atuais que se encontram nas lojas. Há uma verdadeira paixão, um entusiasmo por finalmente a mulher Herrera voltar a se arrumar, o que é mais poderoso do que qualquer outra coisa que experimentei na minha carreira como designer.


Carolina Herrera - primavera-verão 2022 - moda feminina - Nova York - © PixelFormula


FNW: O que mais tem em preparação para a marca, ou projetos na Internet?
WG:
Uma das nossas principais prioridades hoje em dia é tentar encontrar formas de ser tão amigo do ambiente quanto possível. Em cada estação do ano, registaram-se grandes avanços nesta área. E estou muito orgulhoso de assumir a responsabilidade pelas iniciativas que tomamos nesta área em toda a empresa. Também acabamos de nos lançar no comércio eletrônico, e estamos acelerando as coisas localmente e lançamos uma linha de beleza no ano passado, a qual estamos em fases muito iniciais da distribuição, começando pelos Estados Unidos.  

Sinto-me muito orgulhoso pelo fato de estarmos impondo códigos claramente identificados com a marca: a ousadia, as cores e esta fabulosa exuberância. Estamos agora em condições de traduzi-los em produtos de beleza, com um aumento real do poder.

FNW: A Carolina Herrera faz parte do vasto império de beleza, fragrância e moda da família Puig, que inclui marcas como Jean-Paul Gaultier, Paco Rabanne, e agora Dries Van Noten. Há três anos, você aceitou o cargo de diretor artístico na Herrera, uma das principais maisons de moda de Nova York. Quais foram as instruções dadas pelos executivos Puig a partir de Barcelona?  
WG:
A minha relação de trabalho com Marc e Manuel Puig e com todo o povo espanhol é excelente. O que desde sempre admiro neles é a profunda reverência que têm pela Madame Herrera e pela maison que ela construiu. Não creio que seja sempre esse o caso entre uma empresa-mãe e as marcas que esta possui. E é realmente impressionando, inspirador e contagiante. Tenho muito respeito pela empresa.

E penso que o objetivo não dito é pegar o bastão e movimentar o nosso público, para garantir que os valores e princípios da Madame Herrera, da sua fabulosa elegância, falem a uma nova geração, a um novo público. Mas sem nunca comprometer ou desrespeitar a integridade desta casa. E isso é algo que eu realmente respeito na família Puig.


Carolina Herrera - primavera-verão 2022 - moda feminina - Nova York - © PixelFormula


FNW: Para concluir, tenho a impressão (como muitas pessoas), que sob a sua liderança, a Herrera está mais jovem, dirigindo-se a mulheres mais jovens. Isto é consciente, ou chega-lhe instintivamente?
WG:
Sabe, eu sou mais novo do que a Madame Herrera, e como designer masculino as minhas referências são as mulheres da minha vida, as minhas amigas, mulheres de quem me sinto próximo: olho para a forma como se vestem, o que procuram. Tento não pensar na idade quando desenho, penso mais no espírito, estilo, energia. É a mulher que quer ser inesquecível. E, correndo o risco de parecer pretensiosa, é uma mulher que não tenta se misturar quando sai. Percebe o que quero dizer? É ela que quer que as pessoas falem da sua roupa, independentemente do que esteja vestindo. E isso, para mim, não tem nada a ver com a geografia, idade ou tamanho. É uma atitude, uma confiança, e penso que é apenas o meu critério pessoal, o filtro que tenho e como eu e as pessoas que me rodeiam vemos a beleza.

Mas o que me orgulha muito, e que é um fato, do ponto de vista das vendas e dos clientes, é possível ver que não perdemos as clientes Herrera de antigamente, estas continuam comprando  a marca.  E agora também vemos novas mulheres comprando. E é um ato de equilíbrio com o qual sou muito cuidadoso. Quero que todos os que entrem em nossas lojas encontrem algo para si.

FNW: Você estava muito elegante no Met Gala. E, no entanto, alguns comentários na Internet ou nos principais meios de comunicação social da moda dizem que o próprio evento se tornou "exagerado". O você pensa a respeito disso?  
WG:
Sim, eu sei que têm havido reações. Mas devo dizer que tudo o que consegui pensar foi que depois de todo este tempo foi ótimo poder finalmente assistir pessoalmente a uma festa onde as pessoas se preocuparam tanto com a sua aparência! E se divertiram. Eu, pessoalmente, me diverti muito!

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.