×
Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de out. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Carolina Herrera cria bolsa de estudos para ajudar mulheres que sofrem de racismo

Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de out. de 2022

Carolina Herrera reforçou o seu compromisso na promoção do talento feminino no mundo da moda, a fim de favorecer a integração das mulheres que sofrem de racismo no local de trabalho, associando-se ao Fashion Institute of Technology (FIT), a instituição nova-iorquina reconhecida internacionalmente como líder na educação profissional em Design, Moda e Negócios, que dará a uma bolsa de estudos em nome da estilista venezuelana.


Carolina Herrera - primavera-verão 2023 - Womenswear - Nova York - © PixelFormula


"Não consigo expressar o quão empolgada estou por ver o meu nome em uma bolsa de estudo na FIT, uma instituição de Nova York a qual sempre me senti muito próxima", disse a designer de Caracas radicada em Nova York, em uma declaração, na quarta-feira (5 de outubro).

Com este acordo, Herrera acentua o seu compromisso de incorporar o talento feminino no mundo da moda através de uma parceria com o Centro de Justiça Social da FIT na Universidade de Nova York, com o objetivo de "pôr fim à sub-representação das mulheres racializadas nas instituições de ensino".

A empresa compromete-se a "afetar recursos" ao Programa de Bolsas de Estudo de Justiça Social da Carolina Herrera, que irá apoiar um estudante durante os seus quatro anos de estudo na FIT com quatro bolsas anuais iniciando ainda em 2022.

"É uma instituição de renome mundial que torna realidade os sonhos de alcançar uma carreira na moda", disse o atual diretor criativo Wes Gordon da Carolina Herrera, acrescentando que está confiante que esta parceria irá apoiar "o futuro da nossa Maison", como marca e empresa.

Gordon observa que o Fashion Institute, que abriga a maior coleção do arquivo da marca no seu museu, é uma "importante pedra angular da indústria da moda americana e juntos acreditamos que a educação é a chave para capacitar a próxima geração de grandes mulheres criativas". Brown relevou ainda que a criadora tem sido uma "grande inspiração" para os estudantes de FIT.

Por sua vez, a presidente da FIT, a Prof.ª Doutora Joyce F. Brown, disse que a criação da FIT é uma "chave para a próxima geração de grandes mulheres criativas". 

"Ao longo dos anos, dedicou horas aos estudantes que, por sua vez, sempre a acompanharam", e disseram estar "orgulhosos" por a Maison Herrera ter iniciado esta bolsa de estudos de justiça social na FIT em nome da designer de moda que, durante as décadas de 1970 e 1980 foi considerada uma das mulheres mais bem vestidas do mundo, criando looks para personalidades como Jacqueline Kennedy Onassis (nos últimos 12 anos de vida), Laura Bush, Michelle Obama e Melania Trump.

A Carolina Herrera também apoiará a transição de carreira do estudante, oferecendo oportunidades de estágio e aprendizagem ao longo dos estudos e após a sua conclusão.

"A Carolina Herrera e a FIT partilham muitos dos mesmos valores, mas nenhum é mais importante do que este: aprender melhor para fazer melhor, e é por isso que a educação é tão essencial para o empoderamento", concluiu Carolina Adriana Herrera, filha da mentora, atual diretora criativa da The House of Herrera Fragrances, a divisão dedicada à criação de perfumes da marca.
 

© EFE 2022. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.