×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
18 de jul. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Burberry passa por altos e baixos no primeiro trimestre

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
18 de jul. de 2022

A Burberry apresentou os seus resultados do primeiro trimestre na sexta-feira (15), com boas e más notícias. O CEO Jonathan Akeroyd disse estar "satisfeito por ver que a abordagem mais localizada impulsiona a recuperação na região EMEIA, onde os gastos dos clientes locais estão acima dos níveis pré-pandemia".


Son Heung-min foi o mais recente futebolista a tornar-se embaixador da Burberry - Burberry


Apesar disso, os resultados “continuaram a ser afetados pelos encerramentos na China continental”, que é um mercado-chave para a empresa.
 
Pelo menos as "categorias principais" da empresa, ou seja, os artigos de couro e o outerwear, "continuaram a ter um bom desempenho fora da China continental” e o programa de activações de marca “impulsionou o compromisso dos clientes".

E acrescentou: “Embora o atual ambiente macroeconômico  crie alguma incerteza a curto prazo, estamos confiantes de que podemos aproveitar a nossa plataforma de crescimento.”
 
Em que se traduz tudo isto em números? A receita do varejo do primeiro trimestre aumentou 5% para 505 milhões de libras (595,76 milhões de euros), mas permaneceu estável em termos de moeda. As vendas em lojas comparáveis aumentaram apenas 1%, mas, excluindo a China continental, cresceram 16%, com um aumento impressionante de 47% nas vendas em lojas comparáveis da EMEIA, à medida que esta região se recuperava da pandemia.
 
Registou-se um crescimento comparável de 'dois dígitos' em artigos de couro e outerwear fora da China continental, com a linha de bolsas Lola a “funcionar bem, graças às novas formas”. Além disso, houve um "bom desempenho dos impermeáveis e casacos".
 
Quanto às boas notícias vindas da EMEIA, a empresa assinalou que houve “um aumento nos gastos dos clientes nos seus mercados domésticos acima dos níveis pré-pandemia”. A sua abordagem localizada, "juntamente com o aumento dos gastos dos turistas das Américas, ajudou a compensar em grande parte o declínio das vendas a turistas asiáticos e especialmente a chineses".
 
A China continental registrou um declínio de 35% devido às restrições relacionadas com a Covid-19, enquanto a Ásia-Pacífico como um todo caiu 16%. Começou o trimestre com cerca de 40% da sua distribuição interrompida por encerramentos na China continental, incluindo o seu hub digital. As interrupções continuaram nos primeiros dois meses, mas todas as lojas reabriram no final do período. As quedas na China continental foram, pelo menos parcialmente, compensadas por fortes desempenhos nos mercados em recuperação do Japão e SAP.

Por sua vez, o continente americano diminuiu 4%, "desacelerando diante de números comparativos muito duros". No entanto, "o crescimento do vestuário foi bom e as bolsas também superaram os resultados".
 
A nível mundial, o seu marketing deu claramente frutos e aumentou as vendas ao expandir a linha Lola, e os seus elevados níveis de compromisso nas redes sociais ajudaram a direcionar o tráfego para o seu site e também a adicionar quase meio milhão de novos perfis de utilizadores ao seu banco de dados global de clientes.
 
Além de várias iniciativas virtuais e de pop-up, bem como ativações especiais para o mês Pride e o Jubileu da Rainha no Reino Unido, a empresa continuou a "elevar a experiência do cliente nas lojas".
 
No trimestre, a empresa apresentou o seu novo conceito de design em mais seis lojas, incluindo duas no Japão, uma em Hong Kong, na China, e três na região EMEIA. Continua no caminho certo para atingir a sua meta de adicionar 65 lojas com novo design no exercício de 2023, além das 47 lançadas no ano passado.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.