×
Por
EFE
Publicado em
3 de set. de 2013
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Brasil inclui design de moda na lei de incentivo cultural

Por
EFE
Publicado em
3 de set. de 2013

São Paulo – O Governo Brasileiro incluirá os projetos de design de moda na “Lei Rouanet”, iniciativa de incentivos fiscais para o setor cultural, de acordo com o anúncio da Ministra da Cultura, Marta Suplicy, feito ontem, segunda-feira 02, na capital Paulista.

A Ministra, que participou da reunião do Brasil Fashion System, na sede da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), indicou que, além dos projetos aprovados de renomados designers, outros profissionais poderão apresentar projetos para serem contemplados com os benefícios.


A “Lei Rouanet" conta com um orçamento de cerca de 1.7 bilhão de reais.


Suplicy reiterou que a lei também busca beneficiar novos criativos, muitos com poucos recursos para levar suas ideias adiante, e consolidar a moda brasileira com o trabalho de nomes de destaque, como Alexandre Herchcovitch, Pedro Lourenço e Ronaldo Fraga, que se fazem presentes nas principais passarelas do mundo.

“Vejo a moda exatamente dessa forma, apesar de ser algo de luxo que, por sua vez, não o é, ela é como se fosse uma cadeia gigantesca que vai desde o mais simples ao mais sofisticado. E isso tem de ser compreendido e, por isso, temos de criar nossa marca Brasil”, salientou.

Segundo a ministra, os incentivos não beneficiarão marcas comerciais e sim projetos de internacionalização, de tradição brasileira, de preservação do acervo cultural e de formação de designers, abrindo “caminho” para a imagem do país – um caminho que não seja o futebol e o samba.

Com 22 de existência, a Lei Rouanet passou de um orçamento de 300 milhões de reais em 2003 para os atuais 1.7 bilhão.

© EFE 2022. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.