×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de jan. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Boohoo compra Debenhams por 55 milhões de libras

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de jan. de 2021

A Boohoo confirmou na segunda-feira (26) ter comprado a marca Debenhams por 55 milhões de libras (cerca de 62 milhões de euros). A empresa usará a marca recém-adquirida para entrar no mercado da beleza e artigos para o lar, ampliar a oferta de sua marca, operar um gigantesco marketplace online e crescer internacionalmente.


Photo: Sandra Halliday


O acordo não inclui nenhuma loja de varejo, estoque ou quaisquer serviços financeiros da Debenhams, o que significa que milhares de empregos devem ser cortados. As lojas encontram-se atualmente fechadas devido ao confinamento, mas algumas poderão reabrir para continuar as liquidações assim que for permitido.
 
A antiga cadeia de grandes armazéns pode ter enfrentado dificuldades durante anos, mas o seu apelo para a Boohoo é claro. “A Debenhams é há muito tempo uma varejista líder em moda e beleza no Reino Unido, com grande reconhecimento e uma plataforma online estabelecida, com aproximadamente 300 milhões de visitas ao site por ano. Isso o torna um dos 10 principais sites de varejo do Reino Unido em tráfego”, disse a empresa a  na segunda-feira (25).

A empresa definiu a compra como “uma fantástica oportunidade para ampliar o público-alvo do grupo e aumentar a participação através de um novo modelo operacional de baixo risco e capital ligeiro que é complementar à plataforma multimarca direta ao consumidor altamente bem-sucedida do grupo".

Agora, a companhia planeja “reconstruir e relançar a plataforma da Debenhams, ajudando a promover a ambição declarada do grupo de liderar o mercado de e-commerce de moda e crescer em novas categorias, incluindo beleza, esporte e artigos para o lar”.

Seu objetivo é gerir o maior marketplace do Reino Unido nessas três categorias, além da moda, naturalmente. Assim, “irá expandir a gama de produtos vendidos através do marketplace da Debenhams, mantendo as relações de marca existentes no mercado e acrescentando novas marcas ao longo do tempo”.

O marketplace relançado também fornecerá “uma nova e estimulante rota de mercado para o já existente portfólio de marcas do grupo”, que inclui a marca Boohoo, além de PrettyLittleThing, Nasty Gal, Miss Pap, Karen Millen, Warehouse e Oasis.
 
As marcas de moda próprias da Debenhams - como Maine, Mantaray, Principles e Faith - serão “absorvidas pelo atual portfólio de marcas da Boohoo e vendidas através do site principal da Debenhams e os seus demais sites”. A empresa não mencionou, no entanto, o portfólio Designers at Debenhams.
 
No segmento beleza, ela continuará operando o atual modelo por atacado, “mas também procurará adicionar novas marcas de beleza através do marketplace”.

Segundo John Lyttle, CEO da Boohoo, a compra representa “um importante desenvolvimento para o grupo, que procura captar oportunidades de crescimento decorrentes da mudança acelerada para o varejo online”.

Mahmud Kamani, presidente executivo, foi mais além ao definir o acordo como "transformacional" para o seu negócio e acrescentou: “Acelera a nossa ambição de sermos líderes, não apenas no e-commerce de moda, como em novas categorias”.
 
No entanto, a aquisição é uma surpresa, já que o Frasers Group, proprietário da House of Fraser, estava ansioso para comprar negócio e, em um determinado, foi visto não só como o líder, mas o único na disputa pela empresa.
 

Oportunidades de expansão 



Para a Boohoo, a entrada em novas categorias é realmente fundamental e confere-lhe uma exposição instantânea a uma escala que levaria algum tempo a ser construída do zero. A Debenhams é um dos principais varejistas de beleza de prestígio do Reino Unido em maquilagem, cuidados com a pele e fragrâncias, com 6 milhões de compradores de produtos de beleza e 1,4 milhão de membros no Beauty Club.
 
Vale ressaltar que isso dá também à Boohoo a oportunidade de “aproveitar a base de dados de clientes da Debenhams”. E, em vez de ser um negócio principalmente focado no Reino Unido, a compra ajudará a “desenvolver a plataforma para mercados internacionais no futuro”.
 
No último ano fiscal da Debenhams (encerrado em 31 de agosto de 2020), o negócio online gerou receitas líquidas online não auditadas de aproximadamente 400 milhões de libras (450 mil euros). O marketplace foi responsável por 25% desse valor, a beleza por 20%, a marca de moda própria por 25% e o inventário por atacado por 30%. Esse inventário, comprado de marcas de terceiros, incluía moda, esporte e artigos para a casa e “não continuará a operar sob a propriedade do grupo”.

Agora, espera-se que a Debenhams seja relançada na plataforma da Boohoo no primeiro trimestre do ano fiscal de 2022. A Boohoo indicou que, “para permitir a interrupção das operações, a Debenhams continuará operando seu site por um período acordado antes do relançamento na plataforma do grupo e que foi concedida uma licença para permitir o fechamento das lojas físicas da Debenhams (quando estas estiverem em condições de reabrir) por um período adicional”.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.