×
913
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
CAEDU
Supervisor de Vendas - Alto Tietê
Efetivo - CLT · Ferraz de Vasconcelos
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís

Birmânia: marcas e ONG saem em defesa do salário mínimo

Publicado em
today 23 de jul de 2015
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Vários industriais ameaçam deslocalizar suas produções para fora da Birmânia se o setor têxtil não abrir mão do salário mínimo há pouco instaurado. Duas organizações internacionais de trabalhadores, apoiadas por grandes marcas, apelam para que o governo não ceda.

AFP


Os grupos GAP, Adidas, H&M, Tesco, Patagonia e doze outros grandes atores apoiam a iniciativa, empreendida em 15 de julho com o envio pela Fair Labor Association e pela Ethical Trading Initiative de uma carta aberta às instâncias locais.
 
"Queremos contrariar esta ideia das fabricantes e associações do Myanmar de que salários mais elevados vão dissuadir os investidores estrangeiros", aponta a Ethical Trade. "Um salário mínimo que foi negociado por todas as partes deve levar muito mais do que dissuadir as empresas internacionais a comprar vestuários oriundos do Myanmar, em particular os membros da ETI, que estão comprometidos com o respeito das normas internacionais dos direitos dos trabalhadores nas suas cadeias de abastecimento".

"Nós todos desejamos ver o setor do têxtil/vestuário se desenvolver na Birmânia, portanto, insistimos para que o governo crie bases de investimentos e de crescimento baseadas em condições de trabalho e de compensação equitativas para os trabalhadores", aponta, por sua vez, a FLA.
 
Em meados de junho, cerca de 30 fábricas de capital chinês e 60 fábricas de capitais coreanos ameaçaram deslocalizar suas produções para outros países se o salário mínimo fosse aprovado. Foi preciso uma ano de discussão entre sindicatos, representantes dos dirigentes e governo para a implantação de um salário mínimo de 2,9 euros (3,600 kyats) por oito horas de trabalho diário nas fábricas de produção têxtil.
 
Assim, no primeiro trimestre, a Birmânia operou sua entrada no top 20 dos fornecedores da União Europeia em matéria de vestuário, instalando-se na 18.ª posição com 82 milhões de euros de mercadorias. Um avanço espetacular de 74% em relação ao 1º trimestre de 2014.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.