×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de fev. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Bernard Arnault (LVMH): "Já praticamente quitamos a compra da Tiffany"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
2 de fev. de 2022

Por ocasião da publicação dos resultados anuais recorde da LVMH para 2021, Bernard Arnault dificilmente pôde esconder a sua satisfação e foi particularmente prolixo. Na sexta-feira (27 de janeiro), o presidente e CEO do gigante do luxo expôs a sua opinião sobre uma série de questões cruciais que afetam o seu império, mas também o mercado do luxo nesta altura de recuperação pós-pandemia. Eis as suas considerações para 2022:


Bernard Arnault - LVMH


Situação econômica


 
Se a situação econômica continuar como está em janeiro de 2022 deverá ser um bom ano, de acordo com o presidente da LVMH, que no entanto apela à vigilância por causa da inflação. "Sobre este ponto, as opiniões divergem. Alguns têm uma visão pessimista, outros consideram o fenômeno como temporário", salientou. Por sua parte, o empresário multimilionário de 72 anos acredita que os aumentos nos preços das matérias-primas e da energia são bastante cíclicos.

"O fim da pandemia está a criar um engarrafamento de trânsito global. Mas quando tudo estiver resolvido, o mercado voltará ao normal. O grupo está habituado a crises econômicas, mas não prevejo uma este ano. Temos uma vantagem sobre os outros na medida em que temos uma certa flexibilidade nos nossos preços. Temos os meios para reagir à inflação. Além disso, acredito que a procura por nossos produtos continuará forte.
 

Aquisições


 
Com um fluxo de caixa livre das operações para 2021 mais do dobro de 2020 e 2019, com 13,5 bilhões de euros, o grupo, que adquiriu a Tiffany & Co. no final de 2020 por 13,4 bilhões de euros, está mais sólido do que nunca e poderia facilmente embarcar em uma nova operação, enquanto o mercado do luxo é particularmente interessante neste período pós-pandemia. A galáxia das 75 maisons acrescentou uma nova marca ao seu portfólio em outubro, a marca francesa de cosméticos L'Officine Universelle Buly, como Bernard Arnault recordou.
 
Contudo, o empresário foi discreto sobre a possibilidade de novas operações este ano: "Não há necessidade de ter pressa. Não estamos com pressa. Temos tempo. Dizem-nos que estamos fazendo muitas aquisições, só fizemos algumas. Acabamos de fazer uma grande com a Tiffany, que quase ja quitamos. Isso é ótimo! Se encontrarmos outra, porque não? De fato, para fazer boas aquisições, não temos necessariamente de procura-las, tem de ser oportuno.
 

Eliminações


 
"Obviamente, revemos as nossas empresas. Tentamos analisá-las, compreendê-las, desenvolvê-las. De tempo em tempo, algumas parecem muito pequenas ou não estão realmente adaptadas. Como resultado, deixam o perímetro. Mas isto é totalmente marginal. Só aconteceu duas ou três vezes", modera o CEO, apelando à paciência: "Não se acerta da primeira vez. É preciso ser paciente, não ficar chateado, dar tempo para encontrar o ajuste certo. Se, após muito tempo, já não estivermos convencidos, então tiramos as conclusões".
 

Virgil Abloh


 
A morte do designer de moda americano de apenas 41 anos, devido à um câncer, no dia 28 de novembro, levanta a questão da sua sucessão como diretor artístico das coleções masculinas da Louis Vuitton, a marca emblemática do grupo, que este dirigia desde março de 2018. Quando questionado sobre o assunto, Bernard Arnault respondeu nestes termos durante a conferência: "Estamos extremamente tristes. Ninguém esperava que falecesse tão rapidamente. É uma tragédia. Foi um criador extraordinariamente poderoso. Era mais do que um estilista, era um homem de cultura. Ainda estamos num período de luto e falarei sobre o que vai acontecer a seguir quando esse período de luto terminar".
 

Mercado livre de impostos e paralelo


 
Sobre o tema das vendas livres de impostos, Bernard Arnault foi surpreendentemente franco: "É verdade que com a nossa divisão de perfumes e cosméticos, em termos de volume de negócios, somos muito mais fracos do que algumas outras marcas. Mas isto é voluntário. Porquê? Note que um certo número de marcas declara ter realizado arte do seu volume de negócios nas suas lojas duty-free". Arnault considera o fenômeno interessante por estas lojas estarem vazias de clientes. "Sabemos pelo negócio da DFS. Então, o que está acontecendo? Os produtos são comprados mas nunca passam pelas lojas. São enviados das caves destas lojas para revendedores na China que os vendem com um desconto com um impacto terrível na imagem do produto. Isto é muito ruim a longo prazo. Recusamos-nos a alinhar nesta prática, tal como a Chanel. Há pelo menos dois de nós que não o fazem. Queremos preservar a imagem a longo prazo das nossas marcas".
 

O Metaverso


 
"O Metaverso é um mundo puramente virtual. Estamos no mundo real e vendemos produtos reais. É certamente interessante e bastante divertido. Temos de ver quais serão as aplicações deste mundo. Pode sem dúvida ter um impacto positivo se for bem feito na atividade da marca, mas não é o nosso objetivo vender tênis virtuais por 10 euros. Pode ser interessante, no entanto, trabalhar no Metaverso. Estamos no início. Que aplicações e universos serão bem sucedidos? Estamos observando. Dito isto, vamos ter cuidado com os impactos do efeito bolha", adverte o CEO.
 

Fixação de preços


 
"Em termos de preços, estamos tentar ajustar-nos. O preço dos nossos produtos permite-nos margens bastante decentes. Mas também devemos ter uma certa responsabilidade com os nossos clientes. Não queremos dar a impressão de que podemos optar por números que não correspondem à realidade econômica dos preços dos produtos. Temos de ser razoáveis".
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.