×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
31 de out de 2019
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Beiersdorf registra queda nas vendas no terceiro trimestre

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
31 de out de 2019

A empresa alemã de bens de consumo Beiersdorf constatou que seus novos produtos impulsionaram sua unidade de cuidados com a pele, que finalmente se manteve melhor do que o esperado.


Beiersdorf


A Beiersdorf confirmou suas estimativas globais para 2019: crescimento de 3% a 5% no faturamento e margem operacional consolidada de cerca de 14,5%. O grupo também reduziu a previsão de vendas para sua unidade de bens de consumo.

A Nivea, principal marca da companhia, desacelerou e registrou aumento de 2,7% nas vendas no terceiro trimestre, ante 3,2% no primeiro semestre. As vendas dos produtos premium da marca La Prairie caíram 14%, ante 27% no primeiro semestre, com uma diminuição em Hong Kong, por conta da diminuição dos gastos turísticos devido aos protestos pró-democracia.

Por outro lado, as marcas Eucerin e Aquaphor e as linhas de curativos Hansaplast e Elastoplast da Beiersdorf tiveram uma recuperação nas vendas, com uma nova fórmula patenteada pela Eucerin, que reduz o aparecimento de manchas, que vem obtendo uma boa resposta do público.

Diante da desaceleração de marcas como a Nivea, o novo CEO do grupo, Stefan De Loecker, estabeleceu um departamento de inovação para desenvolver novas marcas "independentes", incluindo uma nova linha de cremes para o corpo, criada para a pele tatuada, que foi lançada em setembro.

A Beiersdorf também está aproveitando a demanda por produtos com ingredientes mais "naturais", com o lançamento da linha de cuidados “fermentados" Florena, na Itália e na França, e o lançamento da nova linha de produtos "Naturally Good" da Nivea.

"Em um ambiente de mercado difícil e altamente competitivo, é mais importante do que nunca adaptar nosso modelo de negócios às novas condições econômicas e às mais recentes inovações tecnológicas", diz Stefan De Loecker. "Estamos caminhando na direção certa".

A unidade Tesa, que fabrica adesivos para as indústrias automotiva e eletrônica e responde por cerca de 20% das vendas do grupo, registrou um crescimento de apenas 1,2% entre janeiro e setembro, excluindo os efeitos de câmbio e aquisições, ante 2,4% no primeiro semestre de 2019.

No total, nos nove primeiros meses do ano, a empresa registrou um crescimento orgânico de 4,3% em seu faturamento no terceiro trimestre, para 89 bilhões de euros, ante 4,8% no primeiro semestre. Os analistas esperavam uma média de 1,91 bilhão de euros.

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.