×
890
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Banco de dados global mapeia fábricas de moda para acabar com a escravidão

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 28 de mar de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Uma organização de dados de moda, a Open Apparel Registry, tem como objetivo acabar com a escravidão e o abuso de trabalhadores mapeando todas as fábricas de roupas e calçados do mundo com uma ferramenta gratuita de código aberto lançada na quinta-feira (28).



O Open Apparel Registry (OAR) busca aumentar a transparência para trabalhadores e empresas nas cadeias de fornecimento, que muitas vezes se encontram em condições desagradáveis, identificando cada fábrica por nome e endereço.

"Esta é uma ferramenta poderosa que ajudará as marcas e os varejistas a saber quem mais está trabalhando com determinadas fábricas para que possam colaborar", disse Leslie Johnson, diretora da Fundação C&A, que financia o banco de dados, em uma coletiva de imprensa em Londres.

“Isso ajudará as fábricas a aumentarem sua credibilidade. E ajudará os grupos da sociedade civil a identificarem quem são os fornecedores de uma determinada fábrica quando surgirem problemas. Por fim, isso também ajudará os trabalhadores a terem acesso a soluções mais rápidas”.

A Fundação C&A é parceira da Thomson Reuters Foundation em sua cobertura sobre tráfico humano.

A moda é reconhecida como uma indústria de alto risco devido aos abusos de trabalhadores; enquanto as complexas cadeias internacionais de fornecimento podem dificultar a identificação do trabalho forçado.

Um número crescente de grandes marcas, da gigante de roupas esportivas Adidas aos varejistas de moda H&M e ASOS, estão compartilhando informações sobre suas cadeias de fornecimento em meio à crescente pressão regulatória e do consumidor sobre as empresas para garantir que seus produtos sejam livres de escravidão.

O OAR reúne dados divulgados por marcas, grupos de fábricas, governos e outras fontes e permite que os usuários pesquisem fábricas por nomes de marcas e endereços.

Os defensores afirmam que isso deve ajudar tanto os grupos de defesa dos direitos dos trabalhadores que buscam pressionar as marcas que abusam dos trabalhadores em suas cadeias de fornecimento, quanto as empresas que esperam trabalhar com outrasque compram das mesmas fábricas para pressionar por melhorias.

"Eu acho que vai ser realmente útil", disse Martin Buttle, porta-voz da Ethical Trading Initiative, um grupo global que visa melhorar as condições de trabalho dos trabalhadores. “Há muitas questões nas cadeias de fornecimento de roupas, mas uma das razões pelas quais tentar resolver esses problemas é tão difícil é que as cadeias de suprimentos não são claras... Ninguém sabe quem são os fornecedores e onde eles estão”.

Estima-se que cerca de 25 milhões de pessoas em todo o mundo ficaram presas em trabalho forçado em 2016, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o grupo de direitos Walk Free Foundation.
 

© Thomson Reuters 2019 Todos os direitos reservados.