×
913
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
CAEDU
Supervisor de Vendas - Alto Tietê
Efetivo - CLT · Ferraz de Vasconcelos
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís

Até 150 mil perdem emprego em Bangladesh após desabamento de prédio

Por
Europa Press
Publicado em
today 27 de abr de 2015
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Daca (Reuters/EP) – Cerca de 220 fábricas de roupa fecharam em Bangladesh, causando a perda de 150 mil empregos, desde que o desabamento do edifício Rana Plaza explicitou as más condições de trabalho da indústria têxtil do país, desencadeando uma onda de inspeções, de acordo com um relatório publicado neste sábado.

Foto - AFP


Mais de 1.100 trabalhadores morreram quando o prédio veio abaixo em 2013, ensejando clamores urgentes para que varejistas de todo o mundo façam mais para garantir a segurança de seus funcionários em Bangladesh, segundo maior exportador de roupas do mundo, só atrás da China.
 
Desde então, a indústria de 24 bilhões de dólares vem sendo submetida a uma avaliação de segurança de grande porte – mais de duas mil das 3.500 fábricas foram inspecionadas pelo governo ou em função de iniciativas dos próprios varejistas.

Sediada na Alemanha, a ONG Transparência Internacional Bangladesh (TIB) declarou que muitas fábricas fecharam por não implantarem as medidas de segurança mais rígidas e condições melhores para seus funcionários ou por causa da queda nas encomendas.
 
A entidade realizou uma pesquisa entre abril de 2014 e março de 2015 que revelou que o ritmo de fechamento das fábricas foi quase quatro vezes maior do que o do ano anterior, e que a perda de vagas triplicou.
 
“As fábricas, especialmente de pequeno e médio porte, foram fechadas durante este período devido ao cancelamento de pedidos dos compradores e da falta de cumprimento (das medidas)”, declarou o diretor-executivo do TIB, Iftekhar Uzzaman, à Reuters.
 
“Teme-se que, se esse processo continuar, até 700 mil trabalhadores podem perder seus empregos.”
 
O governo rejeitou o resultado do estudo, afirmando que a maioria dos fechamentos ocorreram entre terceirizados.
 
Iftekhar disse que, embora 95% das fábricas tenham implementado o novo salário mínimo exigido, houve queixas de pagamentos irregulares e de pressão para que os funcionários aumentem sua produtividade em 60%.
 
Ele ainda citou a falta de transparência na administração de um fundo de 19 milhões de dólares de compradores e organizações internacionais para ajudar com compensações para os funcionários.
 
Quatorze marcas, entre elas JC Penney e Carrefour, que negociavam com fábricas sediadas em Rana Plaza não contribuíram com o fundo, embora a Wal-Mart tenha doado 1 milhão de dólares, declarou Iftekhar, citando o relatório da TIB.

Copyright © 2019 Europa Press. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos aqui apresentados sem o prévio e expresso consentimento.