×
887
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Apontado como futuro CEO, Georges Kern surpreende com saída antecipada da Richemont

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 15 de jul de 2017
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Georges Kern, que havia sido identificado como potencial CEO da Richemont, grupo proprietário de marcas como Chloé e Alaia, deixou abruptamente a empresa do mercado de luxo apenas quatro meses após assumir a direção da divisão de relógios. O executivo estaria embarcando em um projeto para impulsionar a marca rival Breitling.


IWC


A saída de Kern, que esteve na Richemont por 17 anos, é uma supresa, pois o grupo de marcas como Cartier, IWC, Montblanc, entre outras, recentemente teve uma mudança na estrutura de sua gestão, que implicou na divisão dos cargos mais altos entre alguns herdeiros.

O jornal suíço "Le Temps" informou que Kern já está atuando na marca rival suíça de relógios Breitling e planeja reergue-la. A Breitling não fez declarações, mas a Richemont confirmou.

“Foi oferecido a Georges uma oportunidade interessante para se tornar um empreendedor", disse o presidente Johann Rupert em um comunicado. "Ele teve uma carreira bem sucedida na IWC Schaffhausen e lhe desejamos o melhor".

Kern, que liderou a IWC por 15 anos, se encontrou anteriormente com ex-executivo da Montblanc, Jerome Lambert, para conversar sobre o cargo de CEO. "Kern foi apontado como possível futuro CEO do grupo, mas a empresa mudou recentemente para uma estrutura de comitê depois que Richard Lepeu se aposentou do cargo de CEO", disse o analista da Kepler Cheuvreux, Jon Cox. "Ele pode ter pensado que a estrutura não era para ele".

Em uma reorganização anunciada em novembro passado pela empresa, Lambert assumiu a responsabilidade por todos os negócios da empresa, com exceção das jóias e relógios, enquanto Kern foi nomeado chefe da divisão de relógios, marketing e digital. Eles assumiram suas novas funções menos de quatro meses atrás.

As outras marcas de relógios e jóias da Richemont são Jaeger-LeCoultre, Van Cleef & Arpels e Piaget. As marcas de relógios de luxo têm enfrentado diminuição da demanda em seus maiores mercados, Hong Kong e Estados Unidos, e a crescente concorrência da Apple.

MUDANÇAS NO TOPO

O movimento não convencional para abolir o cargo executivo mais alto faz parte dos esforços do investidor Johann Rupert para rejuvenescer a administração e a direção do grupo que tem sede em Genebra.

Rene Weber, especialista em luxo, do banco suíço Vontobel, disse que os rumores sobre a possível partida de Kern circulavam há meses, não tornando seu pedido de demissão uma supresa. "Nós o reconhecemos (Kern) como um forte líder e uma pessoa emocional, que também pode causar tremores", disseram analistas de Zuercher Kantonalbank em uma nota na sexta-feira. "Aparentemente, o novo papel não lhe permitiu satisfazer seu potencial".

O grupo foi atingido por uma severa e prolongada queda da indústria de relógios, que viu as vendas de relógios da Richemont (que representam pouco menos da metade das receitas do grupo) diminuírem 15% no ano passado.

Apesar de obter alguma recuperação nos últimos meses, em maio a Richemont divulgou uma nota citando preocupação com o clima geopolítico e comercial volátil.

"Nós não assumimos que a mudança abrupta está relacionada a qualquer deterioração no negócio de relógios", disseram analistas da Zuercher Kantonalbank, apontando para as recentes melhorias nas vendas de relógios da Richemont.

A Richemont informou que a divisão de relógios, bem como as áreas de marketing e digital se reportarão diretamente ao comitê executivo sênior.

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.