×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jan. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Alta-Costura mostra sua vitalidade em Paris

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jan. de 2020

Várias marcas apresentaram seus desfiles na terça-feira (21) ao lado de grandes nomes, como Chanel, Armani e Givenchy, provando que a alta-costura parisiense ainda está cheia de vitalidade. Julien Fournié, por exemplo, mostrou uma coleção para a primavera/ verão 2020 centrada na figura do aventureiro, revisitando a jaqueta safari para um visual de exploradora ultra-chic.
 

Julien Fournié - Primavera-Verão 2020 - Alta-Costura - Paris - © PixelFormula


O designer mostrou mulheres cheias de personalidade que se recusam a passar despercebidas, principalmente quando se movem. Na coleção: ternos retrô feitos de lã super fina, vestidos de tule borbulhantes combinados ​​com jaqueta python ou casaco masculino com ombros poderosos.
 
Para a noite, a silhueta se mostrou alongada com caftans decorados com bordados, enquanto em outras peças os botões que serviram de decoração. As cinturas foram marcadas com cintos com tassels pendurados, terminando em buquês de franjas longas e coloridas. As franjas, também apareceram nas mangas de um vestido, transformando-o em um xale, e desceram ao longo dos braços e do corpo de uma roupa vermelha brilhante.

Na Alexandre Vauthier, tudo brilhou. Os ternos de banqueiros exibiram riscas brilhantes e os minivestidos foram decorados com lantejoulas. Além disso, ele apresentou cadarços prateados e saias e calças sarouels douradas. Vários conjuntos apresentaram estampas de animais em material preto e branco bordado com lantejoulas.

Os drapeados cintilantes mostraram quadris ou ombros. Os vestidos vaporosos de babados alternaram com looks masculinos como smoking e gravata borboleta, criando um ar festivo com um toque teatral, resumido nas longas penas negras que alguns modelos usaram em suas cabeças.

Quanto a Stéphane Rolland, o costureiro francês apresentou vestidos longos e curvilíneos projetados para vestais de ficção científica, em uma paleta dominada por branco brilhante. Colares e cós foram acentuados com diamantes, enquanto recortes se abriram no peito. 

Os looks desfilaram na passarela majestosamente, com o pano de fundo da Torre Eiffel visível através das amplas janelas do Palais de Chaillot. Grandes pétalas de crepe de seda foram enroladas no busto de vestidos esculpidos, enquanto o costureiro também cortou as roupas dos pés à cintura, revelando as pernas das modelos até o quadril.

A marca homônima de Ronald van der Kemp, RVDK, recebeu seus convidados no Hôtel d'Avary, a residência do embaixador da Holanda, onde apresentou uma coleção misturando looks glamourosos com roupas para o dia-a-dia. Tudo, desde peles, ternos, capas e vestidos de corpete com laços grandes, a casacos longos, jaquetas e jeans, foi feito com materiais reciclados do estoque da própria marca e de coleções anteriores.

O estilista holandês é um dos primeiros a adotar o upcycling na alta-costura. "Não produzimos tecidos ou peles. Todo o material utilizado ​​já existia e provém de nossos antigos estoques de alta-costura, coleções vintage, desperdícios de temporadas anteriores, jeans reciclados etc.”, disse ele em uma nota referente ao desfile.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.