×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de mar. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Aeffe regressa aos lucros em 2021

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de mar. de 2022

A Aeffe voltou aos números positivos em 2021. O grupo de moda italiano, proprietário nomeadamente da Moschino, gerou um lucro líquido de 12,1 milhões de euros no ano passado, após ter sofrido um prejuízo de 21,4 milhões em 2020, fortemente afetado pela pandemia de Covid-19. O seu volume de negócios de 324,6 milhões de euros aumentou 20,8% a taxas de câmbio constantes em relação ao ano anterior. No entanto, não recuperou o nível anterior à pandemia, ainda 7,6% abaixo 2019.


A Moschino é responsável por 80% das vendas totais da Aeffe - © PixelFormula


Para 2021, o lucro líquido ajustado, considerando os efeitos decorrentes da primeira aplicação do princípio contabilístico IFRS 16, ascendeu a 2,6 milhões de euros, face a um prejuízo líquido ajustado de 16,3 milhões de euros um ano antes. O resultado operacional (Ebit) passou de um déficit de 24,5 milhões de euros em 2020 para um excedente de 9,1 milhões de euros.
 
O lucro operacional bruto (Ebitda) explodiu, subindo 687%, ou de 4,5 milhões de euros para 35,3 milhões em um ano. Em 2021, representa 10,9% do volume de negócios. “A margem aumentou mais do que proporcionalmente ao aumento das receitas, também graças aos lucros obtidos com a adoção de medidas corretivas para mitigar os efeitos negativos ligados à emergência global da Covid-19 com uma redução adicional de 6% dos custos fixos (pessoal, rendas e despesas gerais) face a 2020, ou seja, uma poupança de cerca de 3,5 milhões de euros", sublinhou o grupo em comunicado.

Além da Moschino, pilotada com sucesso por Jeremy Scott, O grupo está também ativo através das suas marcas próprias Alberta Ferretti, Philosophy e os sapatos Pollini, bem como através de licenças (Jeremy Scott, etc.).

No ano passado, ampliou a sua dívida, que atingiu 93,1 milhões de euros a 31 de dezembro de 2021, na sequência, entre outras coisas, de duas operações extraordinárias. A empresa assumiu o controlo total da Moschino através da compra dos 30% do capital que lhe faltavam, por 66,6 milhões. Também assumiu internamente a gestão da linha Love Moschino, até então desenvolvida sob licença pela Sinv, à qual pagou uma contrapartida de 3,63 milhões de euros.
 
Para 2022, a Aeffe deverá envolver-se em mais uma operação. O grupo planeja integrar a Velmar,  empresa especializada na produção e distribuição de lingerie e beachwear. O conselho de administração "decidiu avaliar a eventual fusão a 100% com a sua filial Velmar SpA". Uma operação que se insere “no processo de racionalização e reorganização da empresa visando uma maior eficiência na gestão das atividades do grupo e na sua coordenação”.
 
O presidente executivo Massimo Ferretti ficou feliz com o aumento das vendas e a acentuada melhoria da rentabilidade da Aeffe em 2021: “Os resultados foram obtidos graças ao bom desempenho de todas as nossas marcas nos diferentes mercados e canais de distribuição e graças aos lucros conseguidos pela melhor eficiência estrutural do modelo de negócios."
 
“Apesar da incerteza ligada às tensões geopolíticas (Rússia e Ucrânia representam 2,6% do volume de negócios em 2021), continuamos focados no desenvolvimento de iniciativas de médio-longo prazo: a nova estratégia de desenvolvimento da Moschino com a gestão integrada de todas as licenças de vestuário da marca, a gestão direta da sua distribuição na China e a significativa expansão do canal de venda online."

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.