×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
31 de jan. de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Aeffe fecha 2019 com ligeiro crescimento

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
31 de jan. de 2020

A Aeffe desacelerou em 2019. O grupo italiano de moda, que atua através das suas marcas próprias (Alberta Ferretti, Philosophy, Moschino e Pollini) e várias licenças (Jeremy Scott e Cédric Charlier) encerrou o seu exercício com um aumento de 1,4 % (+1,2% à taxas de câmbio constantes), ante um crescimento de dois dígitos em 2018. No ano passado, o seu volume de negócios foi de 351,4 milhões de euros, principalmente graças à Ásia e à Europa (excluindo Itália).


As vendas da Alberta Ferretti recuaram cerca de 19 % em 2019 - © PixelFormula

  
A Moschino continua sendo a locomotiva, uma vez que é a marca mais importante do grupo e a única a registrar aumento em 2019 (+4,5%), com um volume de negócios de 262,5 milhões de euros, ou 75% do total das vendas da Aeffe. A Alberta Ferretti viu as suas vendas caírem 18,9%, enquanto a linha jovem Philosophy e a marca de calçados Pollini permaneceram estáveis, com uma queda de -0,3%. As vendas de linhas licenciadas registaram queda de -10,2%.

A Aeffe cresceu em todas as regiões em 2019, com exceção da América e de Itália. Na Ásia e no resto do mundo, que representam um quarto do seu volume de negócios total, as vendas aumentaram 7,5% à taxas de câmbio constantes, principalmente graças à China (+7,2%) e ao crescimento de 14,6% alcançado na Coreia do Sul. Na Europa (excluindo Itália), que representa aproximadamente o mesmo peso em termos de receita, as vendas aumentaram 8,1% graças a Inglaterra, Alemanha e Europa Oriental, ressaltou a empresa em comunicado.

Na América, as vendas diminuíram 4,5%. Mas, este mercado tem apenas 5% de impacto nas vendas. Por outro lado, Itália, que registou o mesmo declínio, travou significativamente o grupo. O mercado doméstico continua sendo o principal da Aeffe, com um peso de 45,8% nas suas vendas totais.

Este declínio pode ser explicado, em particular, pelo enfraquecimento da rede de venda por atacado. A nível mundial, a empresa registou queda de -1,8% nas vendas no canal de atacado, responsável por quase 70% do seu volume de negócios.

As vendas do varejo, que conta com 65 lojas próprias, entre outras, aumentaram 7,5%. As receitas dos royalties das licenças representaram 13,7 milhões de euros em 2019 para a empresa de San Giovanni em Marignano, localizada perto de Rimini, um aumento de 17,7% em relação a 2018.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.