×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de nov. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Aeffe encerra primeiros nove meses com crescimento de 20,9% e 250 milhões de euros

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de nov. de 2021

O Aeffe – grupo internacional com sede em Rimini, Itália (Moschino, Alberta Ferretti, Pollini, Philosophy by Lorenzo Serafini) – anunciou que nos primeiros nove meses do ano fiscal alcançou receitas consolidadas de 250 milhões de euros, + 20,9% às taxas de câmbio atuais em comparação com o mesmo período do ano passado. O EBITDA atingiu 36 milhões de euros, um aumento significativo em relação aos 8,2 milhões em 2020 (+342%), enquanto o lucro líquido foi de 23 milhões (nos primeiros nove meses o grupo tinha registrado um prejuízo líquido de 14 milhões de euros).


Massimo Ferretti - Aeffe

 
"Julgamos positivamente o desempenho dos primeiros nove meses de 2021, considerando a boa progressão das nossas marcas, tanto em termos de vendas como de margens", comentou Massimo Ferretti, presidente executivo da Aeffe S.p.A. "Olhando para o futuro, excelentes sinais vêm da campanha de vendas da primavera-verão 2022, que encerrou com um aumento de 22%. Além disso, o controle total da Moschino e a internalização das licenças Moschino Donna para o outono-inverno 2023 nos permitirá implementar estratégias que expressem melhor o potencial da marca".
 
O crescimento nos primeiros nove meses do ano reflete a contribuição extremamente positiva feita em particular pelos Estados Unidos e Europa Continental e pelas vendas diretas online (+56% em comparação com 2020). As receitas na divisão de moda foram de 166,8 milhões de euros, um aumento de 10,3% à taxas de câmbio constantes desde os primeiros nove meses de 2020, enquanto os calçados e os artigos de couro aumentaram 34%, para 109,9 milhões de euros.

Geograficamente, no período, o grupo alcançou vendas de 50,1 milhões de euros na Ásia e no resto do mundo (o que representa 20,1% das vendas totais), mais 26,9%; o crescimento foi impulsionado pela área da Grande China, que cresceu 35%. A Europa, que representa 32,3% do volume de negócios total, registrou um aumento de 29,1%, graças principalmente à tendência positiva na Alemanha, Grã-Bretanha e Europa de Leste no canal atacadista, enquanto que o varejo continuou a ser parcialmente afetado pelo fluxo limitado de turistas. A Itália cresceu 10,3%, para 102,6 milhões de euros, graças aos resultados do canal atacadista e direto online. Finalmente, as vendas nas Américas cresceram 46,1% a 6,6% do volume de negócios.
 
Por falar em canais de distribuição, o atacado (75,8% do volume de negócios total), cresceu 27,5% a taxas de câmbio constantes. O varejo (20,3% do total de vendas), que também inclui  o online, aumentou 1,5%, principalmente devido ao bom desempenho do comércio eletrônico. Finalmente, as receitas dos royalties, que representam 3,9% das vendas consolidadas, cresceram 27,6% em comparação com os primeiros nove meses de 2020, com um pico de +42% no terceiro trimestre.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.