Adolfo Domínguez reduz suas perdas trimestrais em 20%

Adolfo Domínguez registrou perdas atribuídas à controladora de 2 milhões de euros em seu primeiro trimestre fiscal (março-março), 20,3% a menos que os números "vermelhos" do mesmo período do ano passado, conforme divulgado na sexta-feira (13) pela a empresa espanhola.



A companhia destacou que alcançou seu melhor resultado operacional em um primeiro trimestre em seis anos, depois de melhorar em 50,5% para -929.000 euros, em comparação com -1,8 milhões de euros em seu primeiro trimestre fiscal de 2017.

A empresa obteve vendas de 21 milhões de euros entre março e maio, 7,2% a menos, mas em termos comparáveis ​​(sem levar em consideração as aberturas, fechamentos e reformas) ela obteve um aumento de 4,2%. Do total do faturamento, 78,3% correspondem à principal marca do grupo, Adolfo Domínguez.

A empresa galega também informou que chegou a um acordo com os sindicatos, diminuindo o número de afetados pelo expediente de regulamentação de emprego (ERE) anunciado em maio passado, antes da fusão de suas marcas. 

Frente aos 110 cortes estimados inicialmente e os 9 trabalhadores afetados por modificações substanciais, o número de afetados pelo ERE é 56, praticamente metade do previsto inicialmente. O acordo firmado com os sindicatos permitirá à empresa operar a partir do outono com uma marca única, a de Adolfo Domínguez, já que as lojas com as coleções AD + e U serão integradas a ela.

A empresa de moda fechou o mês de maio com 470 lojas em 29 países ao redor do mundo. 49% das lojas Adolfo Domínguez estão localizadas fora da Espanha e a intenção da empresa é que a rede internacional ultrapasse a nacional em 2019, indicou o diretor de operações do grupo, Antonio Puente.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 Europa Press. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos aqui apresentados sem o prévio e expresso consentimento.

Moda - Pronto-a-vestirModa - DiversosNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER