×
1 088
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Analista de CRM ii – Venda Direta (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Analista fp&a i - Gestão de Verbas Comerciais
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Consultor(a) de Vendas - o Boticário (Boulevard Shopping)
Efetivo · Brasília
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO LUNELLI
Inspetor(a) de Qualidade - Externo
Efetivo · Guaramirim
VIVARA
Vendedora –Shopping Cidade São Paulo – São Paulo/ sp
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de Sistemas - E-Commerce
Efetivo · Jaraguá do Sul
CAEDU
Operador de Loja
Efetivo · Campinas
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Adidas rompe com Kanye West, o que pode lhe custar 250 milhões de euros

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2022

A brincadeira foi longe demais para Kanye West. Após a Balenciaga na sexta-feira (21), chegou a vez da Adidas anunciar o fim da sua relação com o americano. O grupo alemão indicou na terça-feira (25) ter encerrado a parceria com o cantor-empresário, após seus comentários nas redes sociais, no início de outubro, serem considerados antissemitas.


Kanye West. - GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/Archives


"A Adidas não tolera antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio”, escreveu o grupo alemão em comunicado. “Os comentários e ações recentes de Ye são inaceitáveis, odiosos e perigosos, e violam os valores de diversidade e inclusão, respeito mútuo e justiça da empresa. Após um exame profundo, a empresa tomou a decisão de encerrar imediatamente a parceria com Ye, bem como a produção de produtos da marca Yeezy e todos os pagamentos a Ye e às suas empresas. A Adidas encerrará a atividade da Adidas Yeezy com efeito imediato."
 
A explicação é clara, mas o grupo fundado por Adolf Dassler esteve sob pressão nos últimos dias.

Defensores de direitos humanos denunciaram o silêncio da empresa alemã diante dos comentários do rapper, agora conhecido oficialmente como Ye, cada vez mais isolado das empresas e marcas com as quais trabalhava.

"O seu silêncio é um perigo para os judeus", tuitou à Adidas Jonathan Greenblatt, diretor-geral da Anti-Defamation League, uma ONG que luta contra o antissemitismo. “Não podemos permitir que o antissemitismo de Ye se normalize – todos devemos exigir que a Adidas condene a sua retórica racista reavaliando a sua parceria.”
 
Não há dúvida de que para a Adidas, que desde 2014 opera a marca Yeezy com um verdadeiro sucesso e um volume de negócios anual que superou 1 bilhão de euros em poucos anos, romper esta parceria não foi fácil, já que a colaboração lhe permitiu recuperar uma posição no mercado americano, terra natal da Nike, nos últimos anos.

Enquanto a situação a ficava tensa com os seus parceiros de negócios Gap e Adidas, o cantor-empresário aumentou desde setembro seus comentários, deixando os seus colaboradores, parentes e parte da opinião pública desconfortáveis. No início de outubro, a marca havia anunciado inicialmente que iria reconsiderar a sua relação com Kanye West, sem dar um motivo.

Agora, a análise já foi feita. E a Adidas decidiu formalizar a separação na terça-feira. Ainda que a fatura seja pesada para a gigante esportiva. “Esta decisão deverá ter um impacto negativo a curto prazo até 250 milhões de euros no resultado líquido da empresa em 2022, dada a forte sazonalidade do quarto trimestre”, explica o grupo no seu comunicado.
 
Ainda assim, há vários anos a instabilidade de Kanye West aparece cada vez mais claramente. O cantor, que diz sofrer de transtorno bipolar, foi banido de publicar no Instagram por 24 horas em março, no âmbito do divórcio amargo de Kim Kardashian. Também havia atacado durante o verão os líderes da Gap, bem como o CEO da Adidas, Kasper Rorsted, durante o anúncio da sua saída. De seguida, apareceu com uma t-shirt com o slogan "White Lives Matter" e gerou polêmica durante o seu desfile surpresa para a sua marca Yeezy em Paris.

O rapper-empreendedor anunciou que queria implantar a sua marca por conta própria com a ambição de abrir uma rede de lojas. Os seus comentários recentes poderão ter colocado um ponto final na aventura da Yeezy para o artista. A Adidas, por sua vez, marca a sua posição: "A Adidas é a única proprietária de todos os direitos de design sobre os produtos existentes, bem como sobre as cores antigas e novas no âmbito da parceria." Resta saber como a empresa analisará esta singular situação com os investidores durante a conferência de 9 de novembro, quando detalhar os resultados do terceiro trimestre.
 
Com AFP

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.