A moda pós-minimalista da Loewe

Na sexta-feira, as paredes do espaço que recebeu o desfile da Loewe, na UNESCO, foram cobertas com pequenos camafeus de vidro de notáveis da Restauração e da Renascença. A moda foi despojada e limpa, mas de certa forma mais dramática e ressonante.


Ver o desfile
Loewe - outono-inverno 2019 - Moda feminina- Paris - © PixelFormula

Uma visita a uma exposição de camafeus na National Portrait Gallery foi o mote para a mais recente coleção de Jonathan Anderson para a Loewe, e o resultado foi um desfile tremendo e a moda mais fresca que vimos na temporada de Paris até ao momento.
 
Se antes a assinatura de Anderson, tanto na Loewe como na sua própria marca, a J. W. Anderson, era o vestido enrugado, semi-assimétrico e estampado, nesta temporada o criador ganhou equilíbrio com uma alfaiataria mais cintada e uma paleta de cores contida.
 
O seu look de abertura foi um casaco de lã preta pensado na perfeição, com bolsos de remendos e um colarinho que escorria pelo peito, acompanhado por botas de plataforma e combinado com uma carteira de couro macio, cortada em forma de um saco de plástico; o segundo foi uma blusa branca de chiffon que terminava no joelho, usada com um corpete de renda, com mangas em folhos, usada sobre calças pretas à boca de sino. As camisas esvoaçantes e colarinhos de renda alta dos camafeus apareceram na passarela em blusas de seda.

As pérolas, muitas vezes usadas pelos aristocratas nos camafeus, foram visíveis no acabamento de uma sweater em algodão creme de marinheiro, ou numa fantástica camisola robusta, completamente coberta com centenas de pérolas, combinadas de forma incongruente com jeans largos. Muitos modelos usavam um pequeno boné dramático com pequenas abas alargadas, quase como membros femininos da Guardia Civil, embora tenham sido inspirados por um modelo de meados do século do chapeleiro Coret, de San Francisco.

Embora o desfile estivesse longe de ser literal, com o designer a brincar com o seu estilo composto. Nomeadamente num outfit brilhantemente conseguido, composto por uma blusa de professora de escola vitoriana, sweater às riscas invertida e uma camisa de homem transformada numa saia. Como a mais recente campanha de Anderson para a Loewe, fotografada mais uma vez pelo mestre fotógrafo Steven Meisel, este desfile mereceu o título de Magnified Emotions.


Ver o desfile
Loewe - outono-inverno 2019 - Moda feminina - Paris - © PixelFormula

”Imagino que os camafeus fossem as selfies do seu tempo. E talvez sejam mais lembrados do que serão as nossas selfies. E… estou obcecado pelo artista Richard Tuttle e adoro a ideia de algo incrivelmente pequeno. Onde se olha atentamente para o detalhe”, disse Anderson sorrindo, referindo-se ao artista pós-minimalista. O estilista da Irlanda do Norte até pegou no chão preto e na parede branca da exposição. "Quando vi, pensei, vamos pegar nisto", riu Anderson, rodeado por telemóveis empunhandos por editores de moda nos bastidores.

Anderson também manterá as caixas registadoras da Loewe movimentadas com ótimos acessórios novos, em particular novas sapatilhas brancas com padrões em espiral e novas versões cravejadas da carteira Puzzle, um best-seller da marca.
 
Jonathan Anderson foi o enfant terrible de Londres durante tantas temporadas, que é estranho falar sobre uma coleção altamente madura, mas foi precisamente disso que se tratou. 

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - AcessóriosDesfiles
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER