×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
2 de mar de 2018
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A gentrificação da Off-White

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
2 de mar de 2018

Parecia que estávamos lutando para entrar na Arca de Noé e não num desfile de moda, à medida que centenas de fãs se movimentavam para entrar no Espace Cambon, na quinta-feira à noite. O seu sonho: uma oportunidade de testemunhar o desfile de Virgil Abloh para a Off-White.


Off-White - outono-inverno 2018 - Moda feminina - Paris - © PixelFormula

 
Bem-vindos à seita da Off-White. Ou deveríamos dizer comunidade, considerando que um grupo conhecido como Melting Passes, uma equipe de futebol formada por refugiados em Paris, esteva sentado em massa na fila da frente. Abloh desenhou as camisas de futebol da equipe.
 
No convite de Abloh lia-se “West Village” (‘zona oeste’), mas a sensação era mais West Riding (em referência ao oeste americano), considerando que no convite se via um cavalheiro e o seu corcel numa feira equestre.

Após a luta para entrar e uma boa dose de confusão para sentar, alguém correu pelo local gritando repetidamente “Sentem-se, por favor! O desfile não pode começar até que o façam!”, antes de reduzirem a intensidade das luzes e o entrar na passarela.
 
Mais uma vez, fomos transportados para um idílio rural com meia dúzia de vestidos tipo tapeçaria campestres e bucólicos, dignos da alta burguesia a desfrutar da vida. Uma modelo até trazia uma capa feita com o material usado nas selas de montar.  

Até o finale teve um ar de casamento numa casa de campo, embora, em última instância, se tratassem de roupas street elegantes: desde as saias com malha metálica e os vestidos cocktail de um ombro, usados com botas de montar, até aos robustos track tops, sempre com algum tipo de logotipo críptico, como a sua assinatura em forma de X feito com flechas. Nos pés, os tênis Nike do designer ou saltos altos com tiras feitas de lenços de seda. Além disso, a trilha sonora foi The World Is A Ghetto, um clássico da banda War.
 
Abloh recebeu uma enorme ovação, com a maioria dos convidados de pé e aplaudindo enquanto fazia o seu agradecimento, parando não muito longe dos Melting Passes. Embora tenha sido criado no Illinois, a sua família imigrou do Gana para os Estados Unidos. Abloh é realmente a encarnação do novo Sonho Americano. Mas, um que ainda tem uma aspiração pela Inglaterra dos tempos antigos. Uma tradição americana que nasceu há muito tempo com Ralph Lauren.

Poucas vezes um grande desfile em Paris teve tantos recém-chegados na plateia. O que é um dos muitos atributos de Abloh – a sua capacidade de criar todo um mundo novo de novos consumidores. E este é realmente o seu momento.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.