×
1 077
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Analista de CRM ii – Venda Direta (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Analista fp&a i - Gestão de Verbas Comerciais
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Estoquista o Boticário - Belém - PA
Efetivo · Belém
GRUPO BOTICARIO
Consultor(a) de Vendas Responsável - o Boticário
Efetivo · Curitiba
GRUPO BOTICARIO
Assistente Administrativo em Execução de Campanhas Promocionais | Temporário
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Analista de Estratégia de Segmentação e Jornada em Loja Iii - Afirmativa Para Pessoas Negras (Pretas e Pardas)
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Promotor Merchandising - João Pessoa
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Programa Jovem Aprendiz - Camaçari ba
Efetivo · Camaçari
CAEDU
Operador de Loja
Efetivo · Carapicuíba
Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
13 de out. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

“Greenhushing”, a antítese do “greenwashing”

Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
13 de out. de 2022

Enquanto muitas marcas e empresas se gabam de aplicar estratégias “ecologicamente corretas”, outras vão muito mais além em sua abordagem, sem fazer alarde. Uma tendência conhecida como "greenhushing", que é a antítese do "greenwashing".



Esqueçam as promessas de materiais sustentáveis, de comércio justo ou ecológicos em alguns produtos. Os consumidores estão cada vez mais antenados. Diante do fenômeno massivo do "greenwashing", as ONGs não hesitam em apontar e denunciar as práticas duvidosas "pró-ambientais" das grandes empresas. O mundo da publicidade deve estar atento: em setembro, um anúncio do detergente Persil (do grupo Unilever) foi banido no Reino Unido pela autoridade de publicidade britânica, que considerou suas promessas ambientais "muito vagas".

No entanto, algumas marcas estão fazendo grandes apostas em abordagens eco-responsáveis ​​que fazem sentido, usando matérias-primas naturais, locais e biodegradáveis ​​para cosméticos ou roupas, por exemplo. O problema é que, em geral, são menos propensas a promovê-las do que as que fazem "greenwashing". Esse fenômeno é observado há vários anos e é denominado "greenhushing", o que pode ser traduzido para "eco-silêncio".

Os fatores que favorecem essa discrição podem ser múltiplos. Por exemplo, a empresa pode ver seu compromisso como sincero e, portanto, voluntariamente evitar dar muita ênfase, por medo de ser acusada de oportunismo. Outras podem temer perder clientes em potencial ao enfatizar demais a caráter natural de certos produtos, uma vez que alguns consumidores podem percebe-los como menos eficazes. Mas a explicação que mais se destaca nos estudos e artigos dedicados à análise do "greenhushing" é o medo de ser acusada de "não fazer o suficiente" na frente ambiental e de ser abordada pelos consumidores. Essa reticência é manifestada, sobretudo, pelas pequenas marcas que tentam conquistar um espaço no mercado.


Consumidores querem transparência



Embora essa aparente demonstração de modéstia possa parecer positiva à primeira vista, na verdade pode ser contraproducente, privando outras empresas de exemplos inspiradores. E também pode ser prejudicial para os consumidores: como saber se uma marca está realmente comprometida se não existem modelos decisivos no mercado? Além disso, esse silêncio é questionável: de que adianta, e ainda mais se for virtuoso, se privar de uma comunicação voltada para os compromissos ecológicos, sabendo que um número crescente de consumidores busca produtos que atendam a esses critério?

Um estudo realizado na Áustria e cujos resultados foram publicados em 2020 no Journal of Travel Research analisou as reações dos clientes aos estabelecimentos hoteleiros e sua forma de comunicação em torno de sua abordagem 'verde'." , nossa pesquisa fornece poucas razões para ser válida para o greenhushing da perspectiva dos clientes”, concluem os pesquisadores. Ao contrário, o estudo indica claramente uma expectativa de transparência por parte dos consumidores em relação às abordagens pró-ambientais de empresas e marcas.

Especialmente porque a comunicação sobre o compromisso eco-responsável não impede necessariamente de manter um senso de realidade, como o CEO da Patagonia, Yvon Chouinard, provou recentemente ao anunciar sua decisão de deixar sua empresa (estimada em 3 bilhões de euros) para um fundo e uma ONG ambiental. Conhecida por seu compromisso ecológico de longa data, a marca americana havia explicado um ano antes por meio de uma carta aberta que deliberadamente não usava o termo sustentável em sua comunicação. "Por quê? Porque reconhecemos que somos parte do problema", explicou Beth Thoren, diretora de ações e iniciativas ambientais da Patagonia.

Copyright © 2023 AFP-Relaxnews. All rights reserved.