YSL tem nova exposição em Paris

Uma nova exposição em homenagem ao estilista Yves Saint Laurent está sendo realizada no Petit Palais, em Paris, e foi desenvolvida de forma teatral, com evoluções temáticas. Com uma seleção de 307 modelos de alta costura e prêt-à-porter, fotografias, desenhos e filmes, a mostra conta a história do costureiro desde o início de sua carreira em 1958, quando era diretor de Dior e criou a coleção “Trapézio”.

Ele foi o 1º designer a querer vestir as mulheres para o dia-a-dia, criando uma moda mais casual.  Para captar toda a essência, Florence Müller, curador-chefe da exposição, e Farid Chenoune, comissário adjunto, analisaram mais de 5 mil trajes, selecionaram 1000 e, por fim, optaram por 307 peças: "Nós tínhamos estoque suficiente para 10 exposições”, diverte-se Müller.


A seguir, confira uma exposição virtual com 13 imagens que a UseFashion teve acesso.








O nascimento de um costureiro revolucionário


 “Qual o momento mais feliz de sua vida? Ter encontrado Christian Dior”.

(Yves Saint Laurent)


Em 1955, ele ingressa na Maison Christian Dior. Em 1957, depois da morte do fundador, assume a grife e executa a transição de alta costura obsoleta para um novo estilo moderno.

Intitulada "Trapézio", a coleção criada para a marca em 1958 coroou seu talento como “herói nacional francês”.


Coleção alta costura primavera-verão 1958, Dior.


Foto © Alexandre Guirkinger








 Estúdio mental/estúdio real

“No início é o desenho. Ele é o nosso verbo. Ele é que nos guia, nos dá uma referência. Em seguida, o tecido de algodão é uma tela, que permite julgar, continuar, interromper. A próxima etapa é a essencial, na qual o tecido cria a peça. Você corre risco, você ousa. E, finalmente, vem o modelo que desafia seus primeiros passos antes de se juntar a outros e formar a coleção” (YSL).


Estúdio Mental: uma área onde o criador fica mergulhado na escuridão, onde surgem imagens e referências estéticas (pintores, músicos, escritores, etc.), que alimentam a imaginação. Nesse local, ele cria em pensamentos.


Estúdio Real: assim que Saint Laurent chama o estúdio situado na Avenida Marceau, onde o criava suas coleções de fato.


© Pierre Boulat







Evolução de gêneros


Costuma-se dizer que Chanel libertou as mulheres. Anos mais tarde, entretanto, YSL lhes deu poder, com terninhos, jaqueta safári, blusa normanda e smoking.  Ele trabalhou socialmente pela igualdade dos sexos e pelo reconhecimento de uma mulher moderna, que não é um objeto, mas participa da vida do seu tempo e exibe suas certezas.


O estilista amplia a esfera de influência da moda, permitindo que cliente se exprima livremente. Ele propõe uma nova seleção de básicos para o armário. Nesse contexto, criou um novo gênero, entre o feminino e o masculino.


Veruschka num safari em 1968.


© Franco Rubartelli







Yves Saint Laurent e as mulheres

"Meu sonho é dar às mulheres a base de um guarda-roupa clássico, que foge da moda do momento e permite maior confiança” (YSL).


As mulheres do designer francês saem de haréns e castelos, mas também de subúrbios. Correm pelas ruas, tomam metrôs, fazem compras ou estão no mercado de ações. São mulheres de verdade.


Ele substitui o look total, no qual tudo deveria combinar, por um guarda-roupa em que cada mulher encontre seu próprio estilo. Em 1966, lança “Saint Laurent rive gauche", loja que lança o prêt-à-porter de luxo, faz sucesso e abre caminho para outras marcas globais. O estilo de Yves Saint Laurent torna-se acessível ao grande público e se impõe no mundo através de uma rede de lojas.


Coleção alta costura primavera-verão 1969.

© Alexandre Guirkinger






O filme "Belle de Jour" e Catherine Deneuve




“Cheguei aos 22 anos na Rue Spontini, onde ele estava instalado. Era 1965, e eu havia cortado da revista Elle a foto de um vestido da coleção anterior. Isso divertiu a todos. Como uma menina, ainda jovem, quase desconhecida, iria pagar por um vestido de alta costura? (...) Ele já era muito conhecido na época. E eu fiquei amiga dele” (Catherine Deneuve).

Nessa parte da exposição, diversos vestidos e as principais peças do guarda-roupa de Catherine Deneuve, além do vestido de pólvora negra e cetim marfim criado para “Belle de Jour”, de 1967 (foto), e o vestido de gala “Tango” (1997), em cetim crepe vermelho.

© Alexandre Guirkinger






Yves Saint Laurent para Jeanloup Sieff


Em 1971,  o estilista posa nu para as lentes de Jeanloup Sieff, com o objetivo de estampar o anúncio do seu 1º perfume masculino.


Outras imagens dessa sessão, conservadas por Barbara Sieff, são apresentadas pela 1ª vez ao público.







A essência do escândalo

Em 1971, a marca apresenta uma coleção chamada “Scandale”, com peças inspiradas nos anos 1940. Nos ateliês, muitos ficaram chocados. Não somente pelo uso das lembranças da guerra e da ocupação de Paris, mas, sobretudo, porque a figura imaginada pelo costureiro é o cruzamento insólito da mulher chique da Avenida Montaigne e da mulher mundana do Bois de Boulogne.


A imprensa reage de maneira violenta o condena o costureiro. No entanto, ela está equivocada. O estilo é adotado imediatamente nas ruas.


Em pleno movimento hippie e feminista, os lançamentos do francês fazem sucesso e promovem o retorno da sofisticação e do glamour.


Coleção alta cosura primavera-verão 1971.


© Alexandre Guirkinger







Contos de exotismos


"Eu exercito minha imaginação sobre países que não conheço. Se eu ler um livro sobre a Índia com fotos ou qualquer lugar onde eu não tenha ido, minha imaginação me leva. É assim que eu faço minhas melhores viagens” (YSL).

Yves Saint Laurent percorreu diversos caminhos em viagens imaginárias, feitas em seu estúdio apenas com livros ou em suas casas, entre objetos e pinturas de sua coleção de obras de arte.




Coleção alta costura outono-inverno 1976.


© Alexandre Guirkinger







Diálogo com artistas e escritores


“Mondrian é pureza e não pode ir mais além na pintura. A obra-prima do século 20 é um Mondrian” (YSL)


Em 1965, o estilista lança uma coleção inspirada pelo artista Mondrian. As revistas do mundo inteiro afirmam que suas criações rompem hierarquias entre os gêneros artísticos.

O designer desenvolve de forma regular uma ponte com o mundo da arte e suas famosas criações. Utiliza Mondrian, Wesselman Poliakoff, Van Gogh, Matisse, Picasso, Braque, Léger, Apollinaire, Aragon, Cocteau, Lalanne, etc.


Coleção alta costura outono-inverno 1965.


© Alexandre Guirkinger







O último baile

Yves Saint Laurent é um arquiteto do cotidiano. Mas é também um mágico da noite. Ele adora a atmosfera das festas e a noite como um espaço fora do tempo e da realidade.


O espaço dedica-se às grandes extravagâncias do costureiro em vestidos de plumas, veludo, crepes e seda.


Coleção alta costura outono-inverno 1983.



© Alexandre Guirkinger








A estrela negra

"Para a mulher, o smoking é uma peça indispensável, em que ela se sentirá sempre na moda. Afinal, é uma peça de estilo e não de moda. A moda passa, e o estilo permanece” (YSL).

Sempre igual, mas nunca o mesmo: centenas de smokings surgiram da imaginação do estilista, devido à sua vontade de afirmar a legitimidade de uma roupa que ele criou e conquistou o mundo.


Coleção alta Costura outono-inverno 1966.


© Fondation Pierre Bergé








A cor de Yves Saint Laurent


“Eu amo a magia da cor de ouro, para refletir uma mulher. Essa é a cor do sol. Eu gosto do vermelho, agressivo e selvagem. E da cor amarelada do deserto” (YSL).


Na última parte da exposição, os visitantes passam pelo mundo das cores do francês. Vestidos em musseline drapeado, de 2002, além de peças mais antigas, dançam suspensos no espaço, rodeados por paredes revestidas com placas de amostras de tecidos.


Coleção alta costura primavera-verão 2002.


© Alexandre Guirkinger







O talismã de YSL


No final, em uma grande perspectiva, brilha o broche “Coração”, talismã que Yves Saint Laurent conservava preciosamente e colocava, ele mesmo, em uma das peças de cada um de seus desfiles. Atualmente, a biju é símbolo da marca, como um amuleto de sorte.


Coração de Yves Saint Laurent, 1962.

© Fondation Pierre Bergé - Yves Saint Laurent



Juliana Wecki, colaboração Stella Pelissari

Copyright © 2018 UseFashion. Todos os direitos reservados.

Luxo - DiversosEventos
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER