Nike diminui presença na Índia para limitar perdas

O gigante grupo americano, Nike, vem encontrando dificuldades em encontrar a fórmula certa para o mercado indiano, e vai reduzir suas atividades no país para limitar as perdas.


A Nike fechou quase 35% de suas lojas na Índia. Foto: Nike - Nike

De acordo com um relatório da empresa de consultoria Euromonitor, espera-se que o mercado de roupas esportivas atinja 8 bilhões de dólares em vendas até 2020. No entanto, as maiores empresas globais, como a Adidas e a Nike, estão lutando para obter lucro no mercado indiano. Até mesmo a marca alemã de equipamentos esportivos, Puma, anunciou perdas na Índia no último ano fiscal, após três anos de resultados positivos.

A Índia é um mercado em expansão para o setor de roupas esportivas, embora seja muito sensível ao preço e esteja atualmente sendo dominada por marcas nacionais de roupas esportivas como HRX, Zeven ou YWC.

A Nike foi uma das primeiras a entrar no mercado indiano em 2005, mas não conseguiu lucrar, e vem desempenhando mal nos últimos anos.

As vendas da Nike na Índia caíram para 764 crores (cerca de 119,2 milhões de dólares) no ano fiscal de 2016, em comparação com 803 crores (cerca de 125,4 milhões de dólares), no ano fiscal de 2015, enquanto as perdas também aumentaram de 101 crores (cerca de 15,8 milhões de dólares), em 2014-15, para 170 crores (cerca de 26,6 milhões de dólares), em 2015-16.

Agora, a empresa  está tentando mitigar os danos e procura minimizar as perdas, reduzindo seus custos operacionais e encerrando seus contratos de patrocínio. De acordo com a imprensa indiana, a Nike demitiu quase 20% de seus funcionários no território. Até o momento, a Nike fechou 35% de suas lojas na Índia e possui apenas cerca de 200 em todo o país.

Quando perguntado sobre as demissões que estão ocorrendo, um porta-voz da Nike India comentou: "Em junho, anunciamos que para seguirmos a estratégia da marca, que visa satisfazer nossos clientes mais rapidamente e de forma mais personalizada, haveria cortes trabalhistas e essa decisão foi aplicada na Índia. Nossa sede permanecerá em Bangalore, complementada por outros dois escritórios, em Delhi e Mumbai ".

No final do ano fiscal de 2016-17, encerrado em maio, o grupo apresentou crescimento de 6%. No entanto, a sua rentabilidade caiu, com uma margem bruta diminuindo 44,6%, em comparação com os 46,2% do ano anterior, devido a taxas de câmbio menos favoráveis ​​e custos de produção mais elevados.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2017 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

EsporteDistribuição