Moncler encerra suas melhores linhas e se despede de seus estilistas Valli e Browne

A empresa italiana Moncler, conhecida por seus casacos de luxo, tornou pública uma mudança de estratégia que encerra as suas linhas Gamme Rouge e Gamme Bleu, e se despede de seus estilistas, Giambattista Valli e Thom Browne, que deixarão a empresa para focar em suas marcas próprias.


Thom Browne - Archiv

"O grupo deve mudar e abrir novos horizontes", disse o CEO Remo Ruffini em um comunicado. A Moncler disse que está encerrando suas coleções prêt-à-porter, Gamme Rouge e Gamme Bleu, que foram apresentadas nos desfiles de moda de Paris e Milão este ano.

Os estilistas Giambattista Valli e Thom Browne vão se concentrar em suas marcas próprias, segundo a Moncler. A empresa não forneceu mais detalhes sobre sua nova estratégia, embora nos últimos anos tenha enfrentado uma pressão maior para oferecer aos clientes uma maior quantidade de coleções durante o ano, incluindo coleções-cápsula exclusivas e limitadas.

Tradicionalmente, as marcas de moda apresentam apenas duas coleções por ano, primavera-verão e outono-inverno. No entanto, estima-se que os clientes mais jovens constituam quase metade da indústria de luxo de 290.000 milhões de dólares (248.000 milhões de euros) até 2025, e para conquistar esses consumidores, de acordo com a consultoria Bain & Co, as marcas de moda têm que se mover mais rápido e focar no comércio eletrônico.

De acordo com Remo Ruffini, em entrevista ao Financial Times, as lojas Moncler vão lançar novos projetos com mais freqüência.

A Moncler foi fundada inicialmente como uma marca vestuário para esqui nos Alpes franceses na década de 1950, mas Ruffini ajudou a transforma-la em uma marca de moda, depois de assumir o controle em 2003 e lançá-la na Bolsa de Valores de Milão em dezembro de 2013. As ações da Moncler valorizaram quase 40% este ano, em linha com o conglomerado de luxo francês, LVMH.

A Moncler, cujos casacos podem custar mais de 1.000 euros (1.165 dólares), disse em outubro que estava trabalhando em "grandes projetos" depois de publicar um aumento de 15% maior do que o esperado nas vendas dos primeiros 9 meses de seu ano fiscal. Em 2016, as vendas do grupo em superaram 1.000 milhões de euros (1.160 milhões de dólares) e a empresa espera um crescimento ainda maior este ano.
 

Traduzido por Novello Dariella

copyright_reutersapi

Luxo - Pronto-a-vestirCriação