La Famiglia: a importância da família na Semana da Moda de Milão

Tudo se mantém em família na Itália, onde vários clãs pareciam estar unidos para apoiar sua indústria, mesmo quando se tratava de romper os moldes de apresentações e desfiles.
 
Ver o desfile
Missoni - Outono-inverno 2018 - Moda Feminina - Milão - © PixelFormula

A semana começou com Moncler Genius, uma série de colaborações da Moncler com oito talentos do design, entre os quais destacaram-se Simone Rocha e Pierpaolo Piccioli. Dentro do Palazzo delle Stelline, cada um deles criou seu ambiente artístico para mostrar uma série de ideias que pareciam vir de outro planeta.

No dia seguinte, diversos designers sentaram-se com o prefeito de Milão dentro do Palazzo Reale para um almoço que abriu a exposição "Italiana, Itália através da lente da moda de 1971 a 2001", uma impressionante retrospectiva sobre o prêt-à-porter italiano.

"É a continuação de 'Bellissima', sobre a alta moda italiana, ou alta-costura, encenada em Roma. Esta é uma visão do nosso prêt-à-porter pós-guerra, quando os primeiros designers começaram a mostrar suas coleções em Milão. Estes são os dois elementos-chave da história do setor na Itália e acredito que conseguimos capturar a essência criativa", explicou Stefano Tonchi, diretor da W Magazine, co-curador da exposição junto com María Luisa Frisa.
 
O clímax da semana veio com um desfile muito concorrido intitulado "Tommy Now Drive", que aconteceu em uma pista de corrida de carros criada especialmente para a ocasião no espaço Fiera Milano, que teve até o enteado de Tommy Hilfigher, o tenista profissional Julian Ocleppo, como parte do elenco de modelos.
 
"Estamos muito felizes em ter Tommy aqui em Milão. Todos os talentos estrangeiros são bem-vindos em nossa cidade. Eu acho que tivemos uma temporada muito boa, com nossos designers e marcas pensando fora da caixa, como a Moncler, quando se trata de encenação. Que isso continue por muito tempo", disse Carlo Capasa, presidente da Camera della Moda, órgão que coordena a moda italiana.
 
Angela Missoni apresentou uma das melhores coleções em anos para a marca família italiana, especializada em tricô. Uma mistura de Mark Rothko, com elegante estilo boêmio e hippie cool, com um tricô inovador.
 
Também foram impressionantes René Caovilla, o fabricante de calçados octogenário de Veneza, que apresentou novas botas sedutoras feitas em uma combinação notável de malha stretch e cristais.

"É tudo sobre sedução e sonhos. Porque você não pode colocar um preço nos sonhos", brincou o sempre jovem Caovilla, cujo filho agora administra o negócio familiar.


Ver o desfile
Max Mara - Outono-Inverno 2018 - Moda Feminina - Milão - © PixelFormula

Outra empresa familiar, a Max Mara, se juntou ao varejista Fenwick, que pertence à uma família britânica, para criar uma coleção-cápsula intitulada "Trophy Day”.

Fenwick, que sempre teve um grande número de clientes pilotos de corridas, encorajou o desenvolvimento de uma nova uma coleção-cápsula com a Max Mara Weekend, com base no trabalho do artista Richard Saja, que incorpora estampas em toile de jouy com toques de bordado arty.

"Tudo está em conformidade com os regulamentos de vestuário do Royal Enclosure da Ascot. O que é muito útil ", disse Leo Fenwick, herdeiro da cadeia britânica de lojas de departamento, sobre a coleção composta por dez peças como vestidos femininos e bolsas macias, que começará a ser vendida no varejo exclusivamente na Fenwick nesta primavera.
 
Outra empresa familiar, como a Versace, que hoje tem 20% de seu capital nas mãos do veículo de investimento Blackstone, apresentou um desfile poderoso. Donatella trouxe o imaginário dos anos oitenta e um vestuário esportivo e urbano para a marca da medusa.

Este também foi um momento de novos investimentos em marcas com frutos, como a Sergio Rossi. A marca parece estar se recuperando sob a gestão de Riccardo Sciutto, que assumiu a empresa depois que a Kering a vendeu para o fundo italiano Investindustrial, pertencentente a Andrea C. Bonomi.


Ver o desfile
Versace - Outono-inverno 2018 - Moda Feminina - Milão - © PixelFormula

A marca parece ter melhorado seu desempenho desde que se livrou da camisa de força corporativa, e organizou uma apresentação original em um pequeno teatro com capacidade para 200 pessoas, projetado pelo mesmo arquiteto do La Scala.

Apresentada dentro de torres, que pareciam jorrar lava vulcânica, a nova coleção contou com botas futuristas cor carmim e botas minimalistas de lantejoulas com lados Perspex maleáveis. Sergio Rossi também inaugurou uma nova concept store em Paris, reabriu em Milão, e tem novas inaugurações no radar, em Roma, Nova York, China e Japão.

Assim como em todas as grandes famílias, também houve brigas. Giorgio Armani acusou Alessandro Michele de mau gosto por mostrar modelos em uma passarela que simulava uma sala de cirurgia, carregando cópias exatas de suas cabeças debaixo do braço.

Mas a Gucci, que se absteve de fazer qualquer comentário, estava claramente pensando em sua própria família. Após o tiroteio recente e brutal no escola da Flórida, a Gucci doou 500 mil dólares à iniciativa "March for Our Lives". É uma empresa que sabe muito bem, infelizmente, o que é enfrentar uma tragédia como um tiroteio em massa: um dos seus funcionários estava entre os 46 mortos no ataque em uma danceteria em Orlando, Flórida, em junho de 2016.
 

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirLuxo - Pronto-a-vestirDesfiles