Interparfums: crescimento lento no segundo trimestre

No segundo trimestre do seu exercício de 2018, o especialista na criação de perfumes, que opera principalmente com licenças (Montblanc, Coach, Boucheron, etc.), registou uma faturação de 97 milhões de euros, em comparação com 96,9 milhões no ano anterior. Uma estagnação de vendas que se deve ao impacto desfavorável das flutuações cambiais, mas também à falta de lançamento de novos grandes produtos.


Publicidade ao perfume Coach Floral - Interparfums

Ao longo deste período, a Montblanc, marca líder do portfólio da Interparfums, viu as suas vendas caírem 16,4%, para 22,9 milhões de euros, enquanto as vendas dos perfumes da Jimmy Choo, a segunda maior marca do grupo em termos de vendas, estão estagnadas em 23 milhões de euros. Por outro lado, a Coach, cuja licença o grupo adquiriu em abril de 2015, cresceu significativamente, dos 8,2 milhões registados no segundo trimestre do ano passado para os 15 milhões de euros durante o mesmo período deste ano. Depois de vários trimestres difíceis, as fragrâncias da Karl Lagerfeld também voltaram ao crescimento. Graças ao lançamento da coleção Les Parfums Matières, as vendas da marca aumentaram pouco mais de 100% neste período, chegando aos 2 milhões de euros.

Nos primeiros seis meses de 2018, a Interparfums registou um aumento de 4,5% no seu volume de negócios, para 218,7 milhões de euros (+ 11% a taxas de câmbio constantes). Com um aumento de 9% nas vendas na Ásia-Pacífico e de 8% na América do Norte, quase todas as áreas geográficas registaram crescimento. À exceção da Europa Ocidental, onde o volume de negócios diminuiu ligeiramente devido a uma base de comparação desfavorável, visto que a maioria dos lançamentos mais recentes do grupo tiveram lugar no primeiro semestre de 2017.

"A variação do tipo de câmbio euro /dólar afetou o crescimento da atividade, mas não deverá ter impacto na rentabilidade do grupo no primeiro semestre de 2018. A margem operacional deve, portanto, ultrapassar os 15%, como no primeiro semestre de 2017, para que se situe entre 13 e 13,5% no conjunto do exercício de 2018", afirmou Philippe Santi, vice-presidente executivo da Interparfums.
 
Além disso, o contrato de licença dos perfumes Van Cleef & Arpel foi recentemente renovado por um período de seis anos, até 31 de dezembro de 2024.
 
O grupo, que publicará os seus resultados semestrais a 6 de setembro, espera uma faturação de 430 milhões de euros para o conjunto do exercício de 2018.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

PerfumesNegócios