Guillaume Henry deixa a Nina Ricci

A Nina Ricci terminou a sua relação com Guillaume Henry na quinta-feira, dando por terminado o seu papel como diretor criativo da histórica casa de moda parisiense.


Ver o desfile
Henry no desfile outono-inverno 2018 da Nina Ricci em Paris - © PixelFormula

A casa não renovou o contrato do designer, um acordo de três anos que terminou em 15 de março, o que significa que a Nina Ricci, com sede em Paris, efetivamente demitiu Henry.
 
A casa confirmou que a próxima coleção Nina Ricci será criada por uma equipe de design interna. A Nina Ricci é uma das marcas de moda controladas pela família Puig, um alargado clã catalão que é o maior grupo de perfumes da Espanha. Os Puigs controlam as casas de moda da Paco Rabanne, Jean Paul Gaultier e Carolina Herrera. O grupo também supervisiona as licenças de fragrância da Valentino, Comme des Garçons e Prada.

"Após três anos de uma colaboração criativa mutuamente gratificante, a Nina Ricci e Guillaume Henry decidiram, em conjunto, que o designer abandonará a casa após a apresentação da coleção outono-inverno 2018/19", disse a Nina Ricci num comunicado, referindo-se ao seu último desfile, em 2 de março, no Hotel Potocki.
 
"Até a chegada de um novo diretor criativo, as próximas coleções serão desenhadas pelo Nina Ricci Studio", acrescentou.
 
Esta notícia era amplamente esperada. Há vários meses para cá, altos executivos da Puig têm ficado pouco impressionados com o desempenho de Henry na Nina Ricci.

No entanto, mesmo à data da sua coleção final para a casa, Henry negava inflexivelmente que estava prestes a sair da casa fundada em 1932.
 
"Não, não vou sair da Nina Ricci, e este não é o momento para falar sobre rumores, especialmente num dia de défilé!" insistiu Henry, com pouca credibilidade.
 
Henry chegou à Nina Ricci em 2015 como um aclamado jovem talento, depois de reavivar com brilhantismo a Carven, injetando um ar de despreocupação juvenil numa casa quase moribunda. No entanto, desde o início, a tentativa de Henry de injetar uma abordagem contemporânea no grande chic francês nunca chegou a ganhar forma. O designer sai, no entanto, depois de apresentar vários desfiles memoráveis ​​- sobretudo a sua coleção de outono de 2016, apresentada em março desse ano e dedicada às apaixonadas mulheres francesas, com sedutores vestidos negligée e vestidos cocktail em seda metálica.

Henry, que se formou na Duperré, a notável escola de arte do 3º arrondissement, passou pela Givenchy e Paule Ka antes de assumir o controlo criativo da Carven. Na Nina Ricci, sucedeu ao inglês Peter Copping.
 
A partida de Henry acontece apenas um mês após Carolina Herrera apresentar em Nova Iorque o seu último desfile como designer da casa que fundou em 1980. O seu sucessor já havia sido nomeado: Wes Gordon, que já tinha experiência trabalhando na marca.

Herrera, no entanto, permanecerá na sua marca com um papel de embaixadora. Além disso, Herrera manteve-se 37 anos no cargo, enquanto Henry não chegou aos 36 meses.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

LingerieNomeações