Grandes marcas não aderem ao acordo de segurança nas fábricas de Bangladesh

A Abercrombie & Fitch e a marca de Sean "Diddy" Combs estão entre as empresas com fornecedores de Bangladesh que não assinaram o novo acordo que entrou em vigor na sexta-feira (1), que prevê a segurança de milhões de funcionários nas fábricas.


Até o momento, 175 das 220 empresas presentes no acordo original renovaram suas assinaturas, mas grandes marcas, como Abercrombie & Fitch não o fizeram. - Abercrombie & Fitch

O novo acordo é uma extensão de três anos do Acordo do Bangladesh, entre marcas globais e sindicatos, que foi elaborado após o colapso do Rana Plaza, um dos piores acidentes industriais da história moderna. O acordo prevê um programa de combate a incêndio e segurança para a indústria têxtil do país, que movimenta 28 bilhões de dólares ao ano, e emprega cerca de 4 milhões de pessoas.

Até agora, 175 das 220 empresas que assinaram o acordo original renovaram suas assinaturas, mas grandes marcas como Abercrombie & Fitch, a marca de Sean "Diddy" Combs, Edinburgh Woolen Mill, da Grã-Bretanha, e Ikea, da Suécia, não o assinaram, segundo a Clean Clothes Campaign.

“(Eles) estão fazendo a si mesmos e seus clientes um desserviço e conscientemente colocando em risco as vidas dos trabalhadores”, disse Christie Miedema, da Clean Clothes Campaign, que faz lobby para melhorar as condições dos trabalhadores.

Mais de 1.100 pessoas morreram quando o complexo fabril Rana Plaza entrou em colapso em 2013, provocando indignação com as más condições de trabalho no setor de vestuário. Desde então, as marcas ocidentais que fabricam suas peças em Bangladesh estão sob pressão para criar mais medidas para garantir a segurança dos trabalhadores.

Sean John não respondeu aos pedidos de comentário e Edinburgh Woolen Mill não pôde ser contatada. A Abercrombie disse estar revisando o acordo de 2018, enquanto a Ikea disse que optou por se concentrar em seu próprio programa de auditoria de segurança, IWAY.

Ao contrário do acordo original, que expirou na quinta-feira (31), o novo é aberto a empresas que não atuam com vestuário, como a Ikea, que produz tecidos para a casa.

Ativistas pediram para as empresas assinarem o acordo, e argumentaram que programas como  IWAY, por exemplo, não são transparentes, porque os resultados e relatórios de inspeção não são divulgados.

"Operamos em um mercado altamente competitivo e, por razões competitivas, não divulgamos a relação dos nossos fornecedores em Bangladesh ou qualquer outro país", disse a Ikea à Thomson Reuters Foundation em um comunicado enviado por email.

Bangladesh, que fica atrás apenas da China como fornecedora de roupas para países ocidentais, depende da indústria de vestuário para mais de 80% de suas exportações.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2018 Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirDecoraçãoIndústria