Charles Jeffrey Loverboy celebra o corpo em todos os seus estados

Charles Jeffrey Loverboy encerrou a semana da moda masculina de Londres com um grande impulso de energia e um espetáculo muito aguardado. Em apenas algumas temporadas, o criador, formado pela Central Saint Martins e com passagem pelos ateliers da Dior, desenvolveu a sua reputação com o seu fantástico universo alimentado pela cultura dos clubs. O seu mais recente desfile-performance, apresentado na segunda-feira, no centro da London Fashion Week Men's, no número 180 da rua Strand, não decepcionou.
 
O desfile de Charles Jeffrey Loverboy - PixelFormula

Enquanto o cenário mergulha na escuridão, criaturas estranhas presas a asteroides prateados contorcem-se no chão entre flashes de luz, enquanto um coro avança sobre a passarela para proporcionar acompanhamento musical. Gradualmente, a sala ilumina-se, recebendo o desfile de extraterrestres e seres humanos vestidos por Charles Jeffrey. Para a primavera-verão de 2019, o designer de 27 anos decidiu explorar a pluralidade dos corpos, "novos corpos, aqueles que mudam, aqueles que se aceitam, aqueles que não se aceitam", jogando com os gêneros e as influências mais díspares.

A roupa incha por todos os lados, como com excrescências, através de bolsas cheias de trapos e outros objetos não identificados, penduradas nas saias de um vestido de cetim azul, envolvendo a cintura em saliências difíceis de ocultar debaixo de um blazer largo ou mesmo evidentes sobre o abdômen para dividir uma maxi-camisa verde, na qual há uma banana erguida, maliciosa, no centro do conjunto.
 
Os volumes que aparecem aqui e ali, em volta do pescoço, dos braços ou do tronco através do pescoço, as mangas e as bainhas de uma peça de malha (ou camisa) enroladas como boias. Ou nas formas exageradamente largas das saias e alguns casacos. Enquanto noutro conjunto, é o tecido de uma túnica-vestido drapeada que incha sobre um ombro.
 
Um look de Charles Jeffrey Loverboy para o próximo verão - PixelFormula

Às vezes mascarados, às vezes com o rosto pintado (inclusivamente todo de verde), enfeitados com penteados excêntricos, alguns com plumas ou pedras de papelão volumosas em equilíbrio sobre a cabeça, os modelos calçavam sapatos de sola grossa, com meias de rugby com faixas largas coloridas. O tema das riscas de marinheiro volta como leitmotiv em muitas outras peças.

As referências às origens escocesas do designer estiveram, como sempre, presentes, surgindo em mini-kilts com inserções de tartan de todas as cores que são incorporados num fato, num kilt ou como componentes de um conjunto de retalhos. Por outro lado, o xadrez escocês em amarelo ou azul-turquesa ilumina um vestido cinza, drapeado na parte frontal.

Com uma grande riqueza de detalhes e investigação em termos de variedade e de paleta, Jeffrey Charles confirmou o seu talento. Das malhas pop e inventivas, aos cortes impecáveis, passando pelo trabalho na estrutura da roupa, este talentoso criativo parece ser capaz de tudo.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosDesfiles